João Leão diz que subsídios de férias e Natal dão “margem para aumentar salários da função pública” (com áudio)

O ministro das Finanças considera ainda que para uma melhor estabilidade e governabilidade no país é fundamental que o Partido Socialista tenha “uma maioria reforçada” nas eleições legislativas marcadas para 30 de janeiro.

Cristina Bernardo

João Leão acredita que os subsídios de férias e Natal dão “margem para aumentar os salários da função pública” nos 0,9% em função do valor da inflação e que “representa 225 milhões de euros”, revela em entrevista à “Rádio Renascença” e ao jornal “Público” esta quinta-feira, 25 de novembro.

O ministro das Finanças considera ainda que para uma melhor estabilidade e governabilidade no país é fundamental que o Partido Socialista tenha “uma maioria reforçada” nas eleições legislativas marcadas para 30 de janeiro. “É muito importante assegurar boas condições de governabilidade e estabilidade para o país. O fundamental para conseguirmos essa estabilidade é o PS ter uma maioria reforçada que dê condições de governabilidade”, afirma.

Questionado sobre a disponibilidade de viabilizar o Orçamento do Estado para 2022 com Rui Rio, o ministro das Finanças defende que o Governo tem em muitas áreas “visões diferentes” do Partido Social Democrata (PSD). “Ainda no ano passado, a forma de enfrentar a crise pelo PSD foi muito diferente da nossa: achavam que estávamos a dar tudo a todos e tinham uma lógica de austeridade para enfrentar a crise”, frisou.

Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários