João Leão: “Não se deve questionar a auditoria de uma forma generalizada”

Ministro das Finanças afirmou que o Governo está a fazer uma “análise muito cuidadosa” dos resultados da auditoria da Deloitte ao Novo Banco, não se comprometendo para já com uma resposta se o Orçamento do Estado para 2021 irá prever uma nova injeção de capital à instituição.

O ministro das Finanças, João Leão, escusou-se a comentar se o Governo irá inscrever no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) uma verba para um empréstimo ao Novo Banco, garantindo estar a fazer uma “análise muito cuidadosa” dos resultados da auditoria da Deloitte à instituição, que considera não deve ser questionada de “forma generalizada”.

“Há questões que surgem com a própria auditoria. Estamos todos, o Banco de Portugal, o Fundo de Resolução, o Governo, a Lone Star, o próprio Parlamento, a ler os resultados dessa auditoria, a avaliar e discutir qual é a leitura que se faz dessa auditoria”, disse esta quarta-feira à RTP, naquela que foi a primeira entrevista do sucessor de Mário Centena à frente das Finanças, desde que tomou posse.

Realçou, neste sentido, que o Governo está “a avaliar as diferentes alternativas e possibilidades que resultam da auditoria”. Questionado sobre a credibilidade da auditora, João Leão afirmou que “não se deve questionar a auditoria de forma generalizada”.

O ministro da tutela afirmou ainda, mais uma vez e à semelhança do recado que já tinha dado a António Ramalho no Parlamento, antes das férias parlamentares, que “a gestão do Novo Banco deve-se centrar na melhor gestão e na valorização dos seus ativos e essa é que deve ser a grande prioridade”.

“Parece extemporâneo estar já a partir do pressuposto que hajam novas injeções”, afirmou, apesar da instituição ter já estimado que o valor a pedir no âmbito do Mecanismo de Capital Contingente, que recorre ao Fundo de Resolução para compensar perdas do legado do banco, seja de 176 milhões de euros no primeiro semestre, a que se juntarão ainda os prejuízos do segundo semestre.

Escusando-se a comentar se iria escrever uma verba no OE2021 para o Novo Banco, João Leão admitiu ainda assim que “é preciso fazer uma avaliação técnica” com base nos resultados da auditoria e das justificações das chamadas de capital da instituição.

Esta terça-feira foi publicada à auditoria da Deloitte ao BES/Novo Banco, no ‘site’ da Assembleia da República, expurgado das matérias consideradas confidenciais. Já depois disso, durante a tarde, os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) aprovaram o pedido de audição de João Leão ao Parlamento, assim como o seu antecessor e atual governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, sobre esta matéria, em data ainda a definir.

Estas audições juntam-se às audições já agendadas do presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, e do presidente do Fundo de Resolução, Luís Máximo dos Santos. A audição a António Ramalho está marcada para as 15h00 do dia 15 de setembro e foi requerida pelos grupos parlamentares do PS e do PAN. No dia seguinte, às 10h00, realizar-se-á a audição a Máximo dos Santos, que foi requerida pelo PS.

A auditoria da Deloitte, entregue na semana passada, debruça-se sobre os atos de gestão do BES/Novo Banco no período entre 2000 e 2018. O comunicado do Ministério das Finanças  já revelava que o relatório apontava para perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco – entre 4 de agosto de 2014 e 31 de dezembro de 2018.

Porém, a publicação da auditoria revela ainda outras conclusões, como a venda de imóveis terem sido realizadas por valores inferiores, em alguns casos de forma significativa, face a às últimas avaliações, sinalizando que o Novo Banco “não tinha implementado procedimentos de análise e justificação formal das variações ocorridas nas avaliações obtidas, comparativamente às avaliações anteriormente disponíveis”.

Revela ainda que os períodos em que as perdas geradas com operações de crédito e outros ativos mais pesaram no balanço do Novo Banco foram os anos 2017 e 2018, precisamente após a venda de 75% do banco ao Lone Star e à inerente constituição do mecanismo de capitalização contingente a cargo do Fundo de Resolução, somando 1.024 milhões.

Em causa nas audições está ainda o facto da Deloitte ter assessorado o Novo Banco na venda GNB Vida, num processo que foi desencadeado em 2017 e concluído em 2019, tal como noticiado pelo Jornal Económico, na sexta-feira passada, apesar da consultora num comunicado enviado às redações ter afastado qualquer impedimento de realizar a auditoria independente aos atos de gestão do Banco Espírito Santo e Novo Banco entre 2000 e 2018.

Ler mais

Relacionadas
joão_leão_tomada_posse_1

Receita do IRS aumenta pela primeira vez desde abril em agosto, anuncia João Leão

O ministro das Finanças anunciou que a receita do IRS aumentou 1% em agosto, o primeiro aumento registado desta rubrica desde abril. João Leão estima que a taxa de desemprego deverá fixar-se entre os 9% e os 10% este ano e que, apesar da incerteza elevada, a projeção do défice de 7%, inscrita no Orçamento Suplementar, se mantém.
Recomendadas

Operadores oferecem mais de 200 milhões de euros no sétimo dia da fase principal do leilão do 5G

Face de licitação principal do leilão do 5G chega aos 200,4 milhões de euros. Propostas superam em 4,2 milhões de euros as ofertas das rondas de quinta-feira.

PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

Bruxelas propõe alterar OE2021 para ajudar Estados-Membros na adaptação ao Brexit

Este ajuste garantirá a disponibilidade de recursos suficientes este ano para ajudar os 27 países do bloco europeu a fazer face aos efeitos imediatos do Brexit.
Comentários