PremiumJoão Moreira Rato passa a ‘chairman’ do Banco CTT

Luís Pereira Coutinho será reconduzido para mais um mandato na liderança executiva do Banco dos Correios.

João Moreira Rato, que foi presidente do IGCP durante a troika, será o novo presidente do conselho de administração (chairman) do Banco CTT, para o triénio 2019-2021, apurou o Jornal Económico (JE) junto de fonte próxima ao processo. João Moreira Rato vai substituir Francisco Lacerda que renunciou, há uma semana, aos cargos de CEO dos CTT- Correios de Portugal, e de chairman do banco detido a 100% pelos Correios. Questionado pelo JE, João Moreira Rato não quis prestar declarações. Segundo a mesma fonte, Luís Pereira Coutinho será reconduzido no cargo de presidente da comissão executiva (CEO) do Banco CTT. Até ao fecho desta edição, o JE não conseguiu obter declarações do gestor.

Recorde-se que o mandato dos atuais titulares do conselho de administração do Banco CTT terminou em 2018, devendo ser designados novos titulares para o triénio 2019-2021. De acordo com os estatutos do Banco, com a exceção do mandato de quatro anos dos órgãos sociais que iniciaram funções em 2015, “os membros dos órgãos sociais são designados por mandatos de três anos”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Fraudes online em Portugal é de 0,25%, diz SIBS

O responsável da SIBS falava no ‘webinar’ Estratégia Nacional para os Pagamentos de Retalho – Horizonte 2022 (apresentada em novembro), organizado pelo Banco de Portugal, que decorreu esta quinta-feira em formato de videoconferência.

“Building the Future”. APS presente na conferência da Microsoft

O “Building the Future” é o maior evento no qual se debate a transformação digital em Portugal.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.
Comentários