João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença | Cristina Bernardo

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, assumiu divergências com o Conselho Diretivo do instituto público, que “não faz mais convenções” apesar da insistência dos representantes dos beneficiários.

Essa é uma questão que o ex-secretario-geral da UGT considera essencial numa mudança da “cultura da ADSE”, lembrando que há regiões do país em que os beneficiários não têm opções para receber serviços de saúde.

“As Finanças resolveram que não há alargamento, enquanto não houver dados de tudo”, disse João Proença, na conferência “Uma ADSE com Futuro”, que está a decorrer na ADSE, acusando-a de estar a pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença frisou que a ADSE tem um problema de gestão, que deve ser encarado numa perspetiva de relacionamento com as tutelas e o sistema de saúde.

Recomendadas

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.
Comentários