João Proença: “Governo mais troikista que a troika pôs a ADSE completamente financiada pelos beneficiários”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão diz que a ADSE está distante da ideia que muita gente faz dela, sendo financiada pelos beneficiários. João Proença está a ser falar do futuro da ADSE numa conferência na SEDES.

João Proença | Cristina Bernardo

“A ADSE não é um privilégio nenhum dos funcionários públicos”, começou por dizer João Proenca, presidente do conselho geral e de supervisão da ADSE, na sua conferência “Uma ADSE com Futuro”, no âmbito do ciclo “Fim de tarde na SEDES com quem sabe”, realizado nesta tarde de segunda-feira no auditório da Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES).

O ex-secretário-geral da UGT lembrou que o “Governo mais troikista do que a troikista” levou a que a partir de julho de 2014 a ADSE passasse a ser totalmente financiada pelos beneficiários, quando essa meta deveria ter sido atingida só em 2016. Apesar disso, João Proença referiu que “muita gente fala da ADSE como era há 40 anos”, sublinhando que o financiamento por parte dos beneficiários começou logo que o Sistema Nacional de Saúde foi criado, em 1979.

A sessão começou com o presidente da SEDES, João Duque, a pedir uma salva de palmas para o 25 de novembro, “uma data fundamental para a estabilização do processo democrático”.

(Em atualização)

 

Relacionadas

João Proença: “A ADSE é financeiramente equilibrada”

Presidente do conselho geral de supervisão da ADSE reconheceu que esta visão “não quer dizer que não haja problemas”, frisando que a ADSE enfrenta alguns desafios: “É um instituto público a dar os primeiros passos”.

João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença: “A ADSE tem problemas seríssimos devido a falta de pessoas”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão culpa Governo e Conselho Diretivo da ADSE por uma “paralisia inaceitável” provocada com “vetos de gaveta” por parte do Ministério das Finanças.
Recomendadas

João Ferreira diz que intervenção de Presidente da República quanto aos trabalhadores tem sido “marcada pela indiferença”

Depois da sua reunião com a CGTP, João Ferreira apontou que a intervenção adequada tem de ter  “a valorização do trabalho e dos trabalhadores no cerne das preocupações e da intervenção do Presidente da República”.

Ex-ministro da Saúde defende que é preciso “agir depressa” em relação a testes rápidos

“Eu creio que, neste momento, é preciso nesse domínio ser ágil e agir depressa”, defendeu Adalberto Campos Fernandes, que foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018.
Inês de Medeiros

Inês de Medeiros diz que declarações sobre bairro social foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse hoje que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido ao “aproximar das eleições”.
Comentários