João Proença: “Governo mais troikista que a troika pôs a ADSE completamente financiada pelos beneficiários”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão diz que a ADSE está distante da ideia que muita gente faz dela, sendo financiada pelos beneficiários. João Proença está a ser falar do futuro da ADSE numa conferência na SEDES.

João Proença | Cristina Bernardo

“A ADSE não é um privilégio nenhum dos funcionários públicos”, começou por dizer João Proenca, presidente do conselho geral e de supervisão da ADSE, na sua conferência “Uma ADSE com Futuro”, no âmbito do ciclo “Fim de tarde na SEDES com quem sabe”, realizado nesta tarde de segunda-feira no auditório da Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES).

O ex-secretário-geral da UGT lembrou que o “Governo mais troikista do que a troikista” levou a que a partir de julho de 2014 a ADSE passasse a ser totalmente financiada pelos beneficiários, quando essa meta deveria ter sido atingida só em 2016. Apesar disso, João Proença referiu que “muita gente fala da ADSE como era há 40 anos”, sublinhando que o financiamento por parte dos beneficiários começou logo que o Sistema Nacional de Saúde foi criado, em 1979.

A sessão começou com o presidente da SEDES, João Duque, a pedir uma salva de palmas para o 25 de novembro, “uma data fundamental para a estabilização do processo democrático”.

(Em atualização)

 

Relacionadas

João Proença: “A ADSE é financeiramente equilibrada”

Presidente do conselho geral de supervisão da ADSE reconheceu que esta visão “não quer dizer que não haja problemas”, frisando que a ADSE enfrenta alguns desafios: “É um instituto público a dar os primeiros passos”.

João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença: “A ADSE tem problemas seríssimos devido a falta de pessoas”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão culpa Governo e Conselho Diretivo da ADSE por uma “paralisia inaceitável” provocada com “vetos de gaveta” por parte do Ministério das Finanças.
Recomendadas

Contas do PSD congeladas por causa de dívida de mais de seis mil euros a serralheiro

Em causa está um episódio que remonta às eleições autárquicas de 2017, quando o PSD requereu serviços a um serralheiro para montar estruturas para cartazes em São Pedro do Sul, distrito de Viseu. O partido não pagou a totalidade da conta porque queria que fossem os responsáveis locaais a assumirem os custos.

PremiumPS mantém avanço sobre PSD, Chega sobe a quinto partido e CDS em queda

Bloco de Esquerda desce para 7,7% em fevereiro, mas permanece a terceira força, enquanto oCDS-PP tomba para 2,1% e já só está à frente do Livre.
António Costa Assina OE2020

PremiumGoverno sem plano para coronavírus na função pública

Sindicatos da Administração Pública alertam para inexistência de instruções para lidar com Covid-19. Reclamam segurança de funcionários e utentes.
Comentários