PremiumJoão Rodrigues: De câmara e fato de neoprene, a sua missão é salvar os oceanos

Premiado internacionalmente e colaborador regular da revista “National Geographic Portugal”, João Rodrigues não prescinde da sua câmara para divulgar os mares portugueses e sensibilizar a comunidade para a importância da sua conservação.

Muitos foram aqueles que penetraram fundo na selva, na peugada de animais selvagens, observando atentamente os seus movimentos. Que mergulharam nas águas mais remotas em busca dos espécimens menos conhecidos ou que nadaram com cardumes ou até na companhia de graciosas mantas. Muitos foram os que participaram nessas aventuras que enchiam o pequeno ecrã e a nossa imaginação, comandadas pelas vozes carismáticas do naturalista britânico Sir David Attenborough e de Eduardo Rêgo, que assegurava a locução dos documentários BBC Vida Selvagem.

Mas poucos serão os que, deixando-se encantar pelo reino animal em miúdos, fazem desse ‘encantamento’ vida e profissão. João Rodrigues é um caso sério. E tanto se levou a sério que, aos 17 anos, trocou Torres Novas por Faro, para cursar Biologia na Universidade do Algarve. O pai queria que estudasse Medicina ou Direito, para garantir o futuro. A mãe encorajou-o a seguir a sua paixão.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAnne Hidalgo: mais uma espanhola interessada no trono de França

Não é a primeira espanhola de nascimento que tenta chegar longe na chauvinista política caseira gaulesa – o ex-primeiro-ministro Manuel Vals, um catalão, faz disso prova viva sem ter de se ir aos compêndios de História Medieval – mas a atual ‘maire’ de Paris propõe-se não só chegar à Presidência da República francesa, como, antes disso, produzir o verdadeiro milagre de fazer renascer o Partido Socialista francês das cinzas onde o ex-Presidente François Hollande o deixou vai para quatro anos.

PremiumMarcantonio del Carlo: “Esta é uma profissão em que é preciso suar, chorar, mas também ter sorte”

O italiano, de 55 anos, radicado em Portugal desde os 15, está em digressão com a peça “Amado Monstro”, na qual, além de intérprete, é o responsável pela adaptação para português. Integra ainda o elenco do remake de “O Pai Tirano”, que estreia este ano e será também uma minissérie na SIC, em 2022. Mas é como argumentista que mais se “realiza na totalidade enquanto artista”. É nesse papel que define assim: “Só sou eu, ideias, histórias e um teclado de computador. Tudo depende só de mim até chegar a um palco ou a um plateau.”

Primeiro single do novo álbum de Rod Stwart já está disponível

Neste álbum, “The Tears Of Hercules”, voltou a trabalhar com Kevin Savigar, o teclista e vocalista que co-produziu os seus três últimos álbuns de estúdio: “Time” (2013), “Another Country” (2015) e “Blood Red Roses” (2018).
Comentários