João Vale e Azevedo pediu para intervir na Operação Lex

O antigo presidente do Benfica deu entrada com um requerimento em tribunal para intervir no processo que envolve o atual presidente do Benfica e o antigo juiz Rui Rangel.

O antigo presidente do SL Benfica, João Vale e Azevedo, quer intervir no processo da Operação Lex, avança a revista “Sábado” esta terça-feira, 15 de setembro. A investigação envolve o ex-juiz desembargador Rui Rangel e o atual presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

De acordo com a publicação, Vale e Azevedo deu entrada com um requerimento em tribunal, no dia 10 de setembro, a pedir a sua constituição como assistente na Operação Lex.

A publicação avança ainda que o requerimento está a atrasar a notificação da acusação aos arguidos, uma vez que o Ministério Público e todos os envolvidos têm de responder ao pedido realizado pelo antigo presidente das ‘águias’. Posteriormente às respostas dos envolvidos, um juiz do Supremo Tribunal decidirá onde o processo irá correr.

Recomendadas

Acidente de Borba: Instrução do processo da derrocada da estrada começa hoje em Évora

O antigo diretor regional de Economia do Alentejo João Filipe de Jesus, a funcionária da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) Maria João Figueira e o responsável técnico da empresa que possui a licença de exploração da pedreira Paulo Alves foram outros dos acusados que requereram abertura da instrução.

Justiça espanhola condena construtora do presidente do Real Madrid por “cláusulas abusivas”

A construtora Cobra, presidida por Florentino Pérez, foi condenada pela aplicação de até quatro cláusulas que consideradas abusivas e que o juiz garantiu constituirem uma série de prazos com o objetivo de atrasar os pagamentos prometidos para além dos 60 dias previstos em lei para o pagamento de fornecedores no caso do setor privado (30 dias para empresas público).

Supremo Tribunal de Justiça rejeita reclamações dos juízes Rangel e Fátima Galante

Os antigos juízes do Tribunal da Relação de Lisboa são arguidos no processo-crime Operação Lex, tendo, por deliberação do Conselho Superior da Magistratura sido sancionados com uma demissão e a aposentação compulsiva, decisões das quais recorreram.
Comentários