Joe Berardo deixa dívida de 280 milhões à Caixa Geral de Depósitos

Empréstimo da CGD ao grupo económico do empresário para a compra de ações do BCP, em 2007, é um dos créditos de alto risco que fazem parte da auditoria forense que o Governo levou a cabo ao banco do Estado entre 2000 e 2015.

O grupo económico de Joe Berardo tem uma dívida de 280 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos (CGD), sendo um dos maiores devedores do banco do Estado, devido ao empréstimo que a CGD fez ao empresário em 2007, para a compra de ações do BCP, segundo revela a edição do “Correio da Manhã” desta segunda-feira, 26 de novembro.

O empréstimo levado a cabo pelo banco do Estado é um dos créditos de alto risco que integram a auditoria forense que o Governo realizou à Caixa Geral de Depósitos entre 2000 e 2015. De acordo com o “CM”o crédito da CGD ao grupo de Joe Berardo foi integrado na longa lista de créditos de alto risco da auditoria forense, pelo facto de os então responsáveis do banco público não terão avaliado com o devido rigor o risco de incumprimento, nem terão exigido as garantias adequadas ao pagamento de crédito.

Como garantia inicial do pagamento do crédito, a CGD terá ficado apenas com as ações do BCP detidas pelo grupo do empresário madeirense.  Joe Berardo recorreu ao financiamento do banco público no auge da guerra pela luta de poder no banco fundado por Jardim Gonçalves.

No ano de 2007, a CGD era liderada por Carlos Santos Ferreira, tendo como vice-presidente Maldonado Gonelha. Como administradores, estavam Armando Vara Celeste Cardona, Francisco Bandeira, José Ramalho, Norberto Rosa e Vítor Fernandes.

Recomendadas

Lucros do Commerzbank afundam 76%. Dívida da Wirecard pesou mais que a Covid-19

Uma das especificidades dos resultados do banco alemão, é que registou mais perdas com o write-off do crédito da Wirecard do que com as provisões para a Covid-19. O write-off (imparidades a 100%) da dívida da fintech de tecnologia que colapsou somou 175 milhões de euros, acima das provisões constituídas para os efeitos da pandemia que, no segundo trimestre, foram de 131 milhões.

Banco francês Natixis tem um novo CEO

Nicolas Namias é o novo CEO da Natixis a nível global e sucede no cargo a François Riahi, que foi repentinamente substituído depois do banco ter apresentado prejuízos no segundo trimestre.

DBRS diz que banca espanhola vai aumentar as imparidades para crédito nos próximos trimestres

O Santander apresentou os primeiros prejuízos em 160 anos. O BBVA registou perdas de 1.157 milhões no semestre. Todos os bancos que tiveram lucros viram os resultados caírem. É o espelho da crise Covid-19 na banca. A DBRS analisou sete bancos (incluindo o CaixaBank, dono do BPI) e diz que nos próximos trimestres ainda vai ser pior. As receitas estão em queda. Mas o balanço está a aumentar.
Comentários