Joe Berardo deixa dívida de 280 milhões à Caixa Geral de Depósitos

Empréstimo da CGD ao grupo económico do empresário para a compra de ações do BCP, em 2007, é um dos créditos de alto risco que fazem parte da auditoria forense que o Governo levou a cabo ao banco do Estado entre 2000 e 2015.

O grupo económico de Joe Berardo tem uma dívida de 280 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos (CGD), sendo um dos maiores devedores do banco do Estado, devido ao empréstimo que a CGD fez ao empresário em 2007, para a compra de ações do BCP, segundo revela a edição do “Correio da Manhã” desta segunda-feira, 26 de novembro.

O empréstimo levado a cabo pelo banco do Estado é um dos créditos de alto risco que integram a auditoria forense que o Governo realizou à Caixa Geral de Depósitos entre 2000 e 2015. De acordo com o “CM”o crédito da CGD ao grupo de Joe Berardo foi integrado na longa lista de créditos de alto risco da auditoria forense, pelo facto de os então responsáveis do banco público não terão avaliado com o devido rigor o risco de incumprimento, nem terão exigido as garantias adequadas ao pagamento de crédito.

Como garantia inicial do pagamento do crédito, a CGD terá ficado apenas com as ações do BCP detidas pelo grupo do empresário madeirense.  Joe Berardo recorreu ao financiamento do banco público no auge da guerra pela luta de poder no banco fundado por Jardim Gonçalves.

No ano de 2007, a CGD era liderada por Carlos Santos Ferreira, tendo como vice-presidente Maldonado Gonelha. Como administradores, estavam Armando Vara Celeste Cardona, Francisco Bandeira, José Ramalho, Norberto Rosa e Vítor Fernandes.

Recomendadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Banco Montepio com 2,7 mil milhões de euros de crédito em moratória

Sem detalhar o peso no total da carteira, o Banco Montepio diz que concedeu 35 mil moratórias que totalizaram 2,7 mil milhões de euros com referência a 30 de junho de 2021, “evidenciando uma redução de 16% face ao final de 2020”.

Banco Montepio melhora prejuízos para 33 milhões no semestre

O banco liderado por Pedro Leitão regista uma variação positiva nos resultados no montante de 18 milhões de euros em junho. Mas produto bancário cai 12%. O rácio NPE (malparado) melhorou para 9,3%, face aos 12% do ano passado.
Comentários