Joe Berardo deixa dívida de 280 milhões à Caixa Geral de Depósitos

Empréstimo da CGD ao grupo económico do empresário para a compra de ações do BCP, em 2007, é um dos créditos de alto risco que fazem parte da auditoria forense que o Governo levou a cabo ao banco do Estado entre 2000 e 2015.

O grupo económico de Joe Berardo tem uma dívida de 280 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos (CGD), sendo um dos maiores devedores do banco do Estado, devido ao empréstimo que a CGD fez ao empresário em 2007, para a compra de ações do BCP, segundo revela a edição do “Correio da Manhã” desta segunda-feira, 26 de novembro.

O empréstimo levado a cabo pelo banco do Estado é um dos créditos de alto risco que integram a auditoria forense que o Governo realizou à Caixa Geral de Depósitos entre 2000 e 2015. De acordo com o “CM”o crédito da CGD ao grupo de Joe Berardo foi integrado na longa lista de créditos de alto risco da auditoria forense, pelo facto de os então responsáveis do banco público não terão avaliado com o devido rigor o risco de incumprimento, nem terão exigido as garantias adequadas ao pagamento de crédito.

Como garantia inicial do pagamento do crédito, a CGD terá ficado apenas com as ações do BCP detidas pelo grupo do empresário madeirense.  Joe Berardo recorreu ao financiamento do banco público no auge da guerra pela luta de poder no banco fundado por Jardim Gonçalves.

No ano de 2007, a CGD era liderada por Carlos Santos Ferreira, tendo como vice-presidente Maldonado Gonelha. Como administradores, estavam Armando Vara Celeste Cardona, Francisco Bandeira, José Ramalho, Norberto Rosa e Vítor Fernandes.

Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários