Joe Berardo no Parlamento só fala dos créditos à porta fechada

Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O empresário deve 962 milhões de euros à banca nacional.

O empresário Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Joe Berardo é um dos grandes devedores à banca nacional. Segundo o relatório elaborado pela EY, o empresário madeirense está no centro de 350 milhões de créditos ruinosos do banco do Estado. Sobre estes, Berardo garante que só fala à porta fechada e até pediu às máquinas fotográficas e câmaras que se retirassem da sala no parlamento onde está a ser ouvido.

“Como cidadão, tentei ajudar os bancos”, assegurou Joe Berardo.

O comendador que clarificou que, no âmbito dos empréstimos concedidas pela CGD, o banco do Estado devia vender caso excedessem um limite (não especificado). Assim, no caso do financiamento para comprar ações do BCP, Joe Berardo assegurou que a CGD não vendeu os créditos, não evitando assim os prejuízos que originaram.

Joe Berardo garantiu ainda que os seus negócios “nunca foram decididos por opinião política”. “Não sei o que posso esclarecer. Não tive opiniões que não de financiadores”, disse o empresário. “Não foi só ao BCP, mas também outras companhias em que investimos, como a Cimpor ou a Teixeira Duarte”.

“Em não sei quantos anos, fizemos perto de sete mil milhões em trading na bolsa”.

O PSD continua ao ataque e pergunta como é que foi conseguida a diminuição da taxa de juro.

“Quando estávamos a negociar, tínhamos uma situação de take it or leave it” (aceita ou não). “Mas eu não estive nas negociações”, garantiu.

O PSD questionou se o empresário “valerá mais” que os cidadãos portugueses na hora de obter crédito à banca. O comendador não respondeu.

Os sociais democratas perguntaram ainda pelo aval pessoal que Joe Berardo terá dado à CGD para participar no aumento de capital de 38 milhões de euros ao BCP. “Não me lembro”, respondeu o comendador.

Em dezembro de 2007, o então governador do Banco de Portugal, teve uma reunião com Joe Berardo. O empresário garantiu que o objeto da reunião foi a “crise que havia” no BCP.

O advogado de Berardo revelou que queria que fosse encontrada uma solução. “O nome de Carlos Santos Ferreira” para liderar o BCP teve a aceitação dos maiores acionistas, disse o jurista. Joe Berardo disse que não se recorda quem é que foi escolhido.

(atualizada)

Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários