Joe Biden recusa fazer teste cognitivo após Trump colocar em causa as suas capacidades mentais

Biden recusa a ideia de examinar o seu estado mental, comparando a sugestão a fazer um teste de drogas “é como dizer que, antes de entrar neste programa, teria de fazer um teste para saber se estou sob o efeito de cocaína”.

O ex-vice-presidente Joe Biden recusou fazer um teste cognitivo após as acusações contra a sua capacidade mental por parte do presidente Donald Trump e os seus apoiantes, segundo revela o “Business Insider” esta quarta-feira, 5 de agosto.

“Não, eu não fiz um teste”, disse Biden durante uma entrevista em painel organizada pela Associação Nacional de Jornalistas Negros e a Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos. O candidato democrata à Casa Branca mostrou-se surpreendido pela questão e disse “por que diabos eu faria um teste?”

Biden recusou a ideia de examinar o seu estado mental, comparando a sugestão a fazer um teste de drogas. “É como dizer que, antes de entrar neste programa, teria de fazer um teste para saber se estou sob o efeito de cocaína”.

Questionado sobre Donald Trump “se gabar” sobre os testes que o próprio fez ou faz às suas capacidades mentais, Biden respondeu que “bem, se ele não consegue descobrir a diferença entre um elefante e um leão, não sei o que raio ele está a dizer”.

Trump sugeriu que Biden fizesse o teste para comparar os resultados entre os dois. “De certa forma, ele tem uma obrigação”, disse Trump. Os registos médicos não precisam de ser divulgados para os candidatos concorrerem à presidência.

A campanha de Trump também acusou, falsamente, Biden de não querer enfrentar o presidente individualmente num debate presidencial. Biden encerrou a alegação na entrevista e sinalizou que está ansioso para conversar com o presidente dos Estados Unidos durante o primeiro debate programado para setembro.

“Estou ansioso para ter a oportunidade de me sentar com o presidente”, disse Biden. “Estou disposto a deixar o público americano julgar a minha aptidão física e mental e fazer um julgamento sobre quem sou.”

Ler mais
Relacionadas

Líder republicano do Senado diz que a data das eleições norte-americanas não será alterada

Apesar das sugestões de Trump, Mitch McConnell, o líder do Senado, garantiu que a data das eleições se mantém para 3 de novembro. Outros representantes norte-americanos de ambos os partidos já tinham alertado para a impossibilidade legal do Presidente alterar a data das eleições

Faltam 100 dias para as eleições no EUA e ainda está quase tudo por decidir

No Partido Republicano, os estrategos olham com preocupação para os números dos índices de popularidade do Presidente, que começaram a cair vertiginosamente à medida que a gestão da pandemia falhava em mostrar resultados.

Trump recusa comprometer-se em aceitar resultados das eleições caso perca

Trump criticou ainda os dirigentes do Pentágono por estarem a favor de renomear bases militares que honram líderes militares da confederação, com o Presidente a afirmar que não quer “saber do que o os militares dizem”.

Joe Biden confirma readesão à OMS se chegar à Casa Branca

“Os americanos estão mais seguros quando a América está empenhada em reforçar a saúde global. No primeiro dia da minha presidência, irei aderir à OMS e reafirmar a nossa liderança global”, disse o candidato democrata.
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários