“Jogadores de futebol funcionam como um canal de media”, diz CEO da Horizm

Pedro Fernandes Mestriner considera que existemcada vez mais empresas que “utilizam a tecnologia e a inteligência artificial para criar esta relação entre jogadores e adeptos”.

A proximidade criada pelas redes sociais e tecnologia entre os jogadores de futebol e os adeptos esteve em debate esta quarta-feira, 2 de dezembro, na Web Summit, no painel ‘Athletes, AI and the future of digital revenue in sport’.

Pedro Fernandes Mestriner, CEO da Horizm, defendeu que os “jogadores de futebol hoje em dia funcionam como um canal de media”, dado que alguns deles ” são verdadeiros ícones, não só pela forma como jogam, mas como se vestem ou aquilo que consomem e é por isso que as marcas cada vez mais os procuram para que possam amplificar a mensagem que pretendem transmitir”.

Presentes neste painel estiveram também Esteban Granero, antigo jogador do Real Madrid e Richarlison que joga atualmente nos ingleses do Everton.

O médio brasileiro assumiu utilizar com frequência as suas redes sociais já que “é muito importante para os adeptos estarem próximos de nós. As redes sociais aproximam-nos mais das pessoas no dia a dia, e é bom para que elas nos acompanhem e vejam os nossos treinos, por exemplo”.

Por sua vez, Esteban Granero, nota uma grande mudança em comparação quando começou a jogar futebol profissional há 15 anos. “Esta forma de comunicar é boa para a indústria do futebol. Existe cada vez mais empresas que utilizam a tecnologia e a inteligência artificial para criar esta relação entre jogadores e adeptos”, frisou.

Pedro Fernandes Mestriner, salientou que estas ferramentas com as novas ferramentas tecnológicas permitem “fazer uma melhor avaliação sobre o tipo de conteúdo que é mais relevante para uma marca e o tipo de adepto que pretende alcançar”.

A pandemia da Covid-19 afastou os adeptos dos estádios de futebol. Uma situação que Richarlison assume ser difícil “porque não temos ninguém a apoiar-nos, mas tentamos sempre dar o nosso máximo para vencer, porque os adeptos continuam a acompanhar-nos através da televisão ou internet”.

Questionados sobre se consideram também influencers, além de futebolistas, Esteban Granero sublinhou que “quando te vês ou alguém que admiras na televisão e segues essa a vida e carreira dessa pessoa, quer queiras ou não acabas por tornar-te um influencer”.

O atual jogador do FC Marbella realça que os jogadores de futebol “têm uma grande responsabilidade não só enquanto consumidores, mas também para as empresas”, dado que hoje têm um poder muito grande de influenciar as sociedades e a tecnologia acaba por otimizar isso ainda mais”.

Uma opinião defendida também por Richarlison. “Tento estar sempre o mais perto possível das pessoas e uso as minhas redes sociais para isso. Gosto de me envolver em causas sociais importantes”, referiu.

Recomendadas

Tóquio2020: Jorge Fonseca aponta como segredo “muito trabalho e determinação”

“Dedico a todos os portugueses, às pessoas que estão a passar por momentos difíceis, devido à covid-19”, afirmou, avisando que não quer parar: “Tenho muito mais para conquistar. Tenho 28 anos e quero divertir-me. Tenho fome de títulos. Quero mais”.

6 em 18: como o distrito de Braga domina a I Liga. Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

“Patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio”. Especialista analisa críticas de Jorge Fonseca à Adidas e Puma

De modo a ajudar a entender a interpretação das marcas sobre a razão de não patrocinarem Jorge Fonseca, Daniel Sá refere, em entrevista ao JE, que “o patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio. Quando a marca decide investir em alguém quer duas coisas de volta: visibilidade e associação à personalidade do atleta”.
Comentários