Jorge Alves foi eleito o melhor enólogo ano em Portugal em 2018

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Jorge Alves, enólogo principal da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, foi distinguido no passado fim-de-semana como ‘Enólogo do Ano’ de 2018, num prémio atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’.

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Ao Mirabilis Tinto 2015 foi atribuído um lugar no disputado TOP 30 da publicação, uma espécie de ‘ranking’ que sugere os melhores entre os melhores, após votação unânime do painel de provadores da ‘Vinho Grandes Escolhas’.

Já o Mirabilis Branco 2017 foi reconhecido na categoria dos ‘Melhores Vinhos de 2018 do Douro’.

Para Luísa Amorim, administradora da Quinta Nova, “foi com um enorme orgulho que recebemos esta dupla distinção, que reflete não apenas o percurso e a dedicação do Jorge Alves, mas que reconhece o enorme trabalho de um grande enólogo do Douro e de Portugal e de toda uma grande equipa”.

“O Mirabilis Tinto é inspirado na linha dos grandes vinhos do mundo, onde se criam texturas, aromas, gravidade e transparência. Este lote de 2015, num total de 5.800 garrafas, coloca à margem o conceito de ‘terroir’ e resulta num vinho irrepetível, com uma composição heterogénea de poucos litros de cada uma das melhores barricas que estagiam na Quinta Nova”, destaca um comunicado da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo.

Luísa Amorim ainda acrescenta que “os vinhos Mirabilis nascem na vindima de 2011 no ‘Atelier do Vinho’, uma pequena adega com capacidade para 17.800 litros, onde tratamos a matéria prima e os diferentes lotes de vinho como se fossem obras de estudo”.

“No ‘Atelier do Vinho’, a produção é 100% manual e vinificamos pequenas parcelas e subparcelas da quinta que se mostram excecionais, ensaiando diferentes sistemas de maceração e maturação, com o objetivo de alcançar vinhos de detalhe, com uma filosofia de interpretação territorial e com uma profundidade única e fora de série”, destaca a empresária.

Jorge Alves nasceu em 1973 em Mirandela. É licenciado em Agronomia pelo Instituto Politécnico de Bragança e Pós-Graduado Enologia pela Escola Superior de Biotecnologia, no Porto.

Marcou ainda presença no curso de ‘Master Of Wine’, em Londres, de onde importou importantes conceitos.

Iniciou depois a sua carreira no Douro, na Adega Cooperativa de Alijó, passando pelas Caves Transmontanas (Vértice) e pela Quinta do Tedo, em 1997.

Desde 1999, assume a responsabilidade, juntamente com o amigo e enólogo Celso Pereira, do projeto Quanta Terra.

Desde 2012, que colabora com a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, uma parceria reforçada em 2017 com o lançamento de novos desafios: a Quinta da Taboadella no Dão.

Ler mais
Relacionadas

Luísa Amorim arranca com projeto pessoal no Alentejo

Após ter trazido a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmopara a ribalta da produção vinícola do Douro e de ter levado o grupo Amorim para o Dão, com o investimento na Quinta da Taboadella, Luísa Amorim decidiu pôr de pé um projeto vitivinícola a título próprio, no Alentejo. Saiba as motivações e os projetos da filha mais nova de Américo Amorim.

Quinta da Taboadella: Grupo Amorim prevê produzir 1,2 milhões de garrafas

Com o investimento, no ano passado, na Quinta da Taboadella, situada na região do Dão,o Grupo Amorim tem como objetivo a curto prazo passar a produzir 1,2 milhões de garrafasde vinho por ano, cerca de 600 mil no Douro e outras tantas no Dão. Em entrevista, Luísa Amorim explica os pormenores sobre o novo projeto no concelho de Sátão.
Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Concorrência acusa Modelo Continente, Pingo Doce, Auchan e Active Brands de concertarem preços

As retalhistas terão utilizado o relacionamento comercial com a Active Brands – do grupo Gestvinus e até então fornecedora das marcas Licor Beirão e Porto Velhotes – para alinharem os preços de venda ao público.

As empresárias que tratam o vinho como alguém da família

O Jornal Económico dá a conhecer cinco empresárias que deixam a sua marca numa indústria onde a igualdade de género ainda tem um longo caminho a percorrer. De Leonor Freitas a Rita Nabeiro, passando por Luísa Amorim, estes são apenas alguns nomes que se têm destacado no mundo dos vinhos e que há muito se habituaram a tratar por “tu” o néctar de Baco.
Comentários