Jorge Costa antecipa “aprovação à vista” do relatório sobre as rendas excessivas da eletricidade

“Aprovação à vista do relatório de que sou autor na comissão de inquérito às rendas da eletricidade. Votações durante a tarde. Conhecemos as rendas excessivas e quem as criou. Sabemos como as eliminar. Agora é querer”, escreveu o deputado do Bloco de Esquerda no Facebook.

Ainda está a decorrer a discussão e votação do relatório final e das propostas de alteração apresentadas no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. No entanto, o redator do relatório, Jorge Costa, deputado do Bloco de Esquerda (BE), já antecipou a provável aprovação do documento.

“Aprovação à vista do relatório de que sou autor na comissão de inquérito às rendas da eletricidade. Votações durante a tarde. Conhecemos as rendas excessivas e quem as criou. Sabemos como as eliminar. Agora é querer”, escreveu o deputado bloquista no Facebook, pouco tempo antes do início da reunião.

Entretanto, já na reunião, a previsão de Jorge Costa parece estar a concretizar-se. As propostas de alteração apresentadas pelo PSD foram chumbadas, ao passo que as conclusões do relatório acabam de ser aprovadas. Todas as propostas estão a ser votadas uma a uma, além de recomendações e outras vertentes do documento (capítulo a capítulo). A reunião ainda deverá prolongar-se durante mais algumas horas.

Recomendadas

Mercadona procura quota de vendas superior a 10% em Portugal

Se replicar o êxito de Espanha, onde garante 25% das receitas com 17% da área comercial, grupo de Juan Roig vai chegar ao topo do mercado interno.

Farfetch: “Vamos reinvestir as margens do crescimento agressivo da empresa”

José Neves, fundador da Farfetch, está satisfeito com os resultados obtidos pela empresa, tal como foi como foi prometido ao mercado. O foco está em continuar a crescer e não na rentabilidade imediata.

Corte de 462 mil euros no orçamento da Agência Lusa pode provocar despedimentos

Em causa está a decisão do Governo, que controla a participação maioritária da agência detida em 50,14% pelo Estado, de cortar na rúbrica Fornecimentos e Serviços Externos do orçamento da Agência Lusa
Comentários