Jorge Seguro Sanches regressa ao Governo para integrar Ministério da Defesa

Jorge Seguro Sanches volta a integrar o Executivo de António Costa, um ano depois de ter sido afastado. Foi um dos principais rostos responsáveis por cortes nos rendimentos garantidos no setor da energia, no anterior Governo.

O ex-secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, vai regressar ao Governo para desempenhar as funções de secretário de Estado Adjunto da Defesa Nacional. Jorge Seguro Sanches volta a integrar o Executivo de António Costa, um ano depois de ter sido afastado.

De acordo com a lista de secretários de Estado aprovada esta segunda-feira pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, Jorge Seguro Sanches vai passar a número dois do Ministério da Defesa Nacional, que continuará a ser liderado por João Gomes Cravinho. No mesmo Ministério, Catarina Sarmento Castro deve assumir a secretaria aos Recursos Humanos e Antigos Combatentes.

Jorge Seguro Sanches ocupou o cargo de secretário de Estado da Energia, entre 2015 e 2018, antes de passar a pasta ao socialista João Galamba. Foi um dos principais rostos responsáveis por cortes nos rendimentos garantidos no setor da energia, que terão mexido com alguns dos interesses instalados no setor e terão levantado críticas de várias entidades, como a EDP.

Enquanto secretário de Estado da Energia defendeu que “temos um operador incumbente que domina todos os setores da eletricidade, da produção e distribuição à comercialização” e que é necessário que “os produtores não sejam os mesmos” e que “os consumidores podem também ser produtores”.

O novo secretário de Estado Adjunto da Defesa Nacional é licenciado em Direito e pós-graduado em Relações Internacionais e em Direito da Energia. Desempenhava, desde o início de junho deste ano, as funções de Inspetor-Geral da Defesa Nacional.

Relacionadas

Saiba quem são os novos secretários de Estado

Jorge Seguro Sanches regressa ao Governo um ano depois de ser remodelado. Nuno Artur Silva entra no Executivo e fica a tutelar a RTP, a empresa pública de onde foi afastado da administração pelo Conselho Geral Independente.

João Galamba reconhece que “há rendas excessivas” no setor da Energia mas diz que “rasgar contratos” não é solução

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o secretário de Estado da Energia salientou que “a atribuição de licenças por um mecanismo de leilão concorrencial é exatamente uma forma de aprender com os erros cometidos no passado que não queremos repetir no futuro”. E garantiu: “O que sair dos leilões não terá rendas excessivas”.

Sem mercado de concorrência vai voltar a falar-se de rendas excessivas, garante Seguro Sanches

Na opinião do antigo governante, se o país não for capaz de “criar um mercado claro, de concorrência, um mercado transparente, com condições iguais para todos”, trata-se apenas “de uma utopia”.
Recomendadas

PAN evoca VOX para pedir respostas para a “exploração social e ambiental” na Costa Vicentina

André Silva classificou a Costa Vicentina como “Almeiria portuguesa” e lembrou que o descontentamento e insegurança sentido na província espanhola de Almeiria levou ao crescimento do partido de extrema-direita VOX.

Cecília Meireles ouve António Costa dizer que englobamento de rendimentos prediais será “no devido tempo”

Pergunta da deputada centrista quanto ao número de portugueses que pagarão mais impostos em sede de IRS levou António Costa a dizer que se diverte com “especulações” e com relatórios de consultoras que “fazem jeitinhos à direita”.

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.
Comentários