Jorge Silva eleito bastonário da Ordem dos Notários com 51,58% de votos

A lista A, liderada por Jorge Silva, notário da Maia (distrito do Porto), que se apresentou a votos com o objetivo de fazer uma “revolução digital no notariado português”, obteve 51,58% dos votos expressos, enquanto a lista adversária obteve 43,7%, dos 380 votos expressos.

O notário Jorge Silva foi eleito no sábado, em Lisboa, bastonário da Ordem dos Notários, com 51,58% dos votos, anunciou hoje a entidade.

Em comunicado, a Ordem indica que as eleições decorreram ao longo de toda a semana, culminando no sábado com votação presencial, na sede, em Lisboa.

A lista A, liderada por Jorge Silva, notário da Maia (distrito do Porto), que se apresentou a votos com o objetivo de fazer uma “revolução digital no notariado português”, obteve 51,58% dos votos expressos, enquanto a lista adversária obteve 43,7%, dos 380 votos expressos.

Foram ainda eleitos Francisca de Castro (vice-presidente da direção), Constança Oliveira (tesoureira da direção), Lúcia Ataíde e Ana Raquel Simões (vogais) e Patrícia Rizzo Fernandes, Aida Sousa e Ricardo Correia, respetivamente primeira, segunda e terceiro suplentes da lista para a direção.

A lista para o Conselho Supervisor liderada por Cristina Fernandes foi eleita com 54,5% dos votos expressos e a lista para o Conselho Fiscalizador, liderada por Filipa Falcão, foi eleita com 46,9% dos votos expressos.

António Jorge dos Santos Batista da Silva nasceu na Póvoa de Varzim e é notário na Maia desde 2006.

Licenciou-se em Direito em 2004 na Universidade do Minho, e é pós-graduado em Direito e Informática pela Universidade do Minho, mas tem a atividade de advogado suspensa para o exercício do notariado.

Foi vice-presidente da Ordem dos Notários entre 2010 e 2011, e presidente da Associação de Jovens Notários entre 2007 e 2008.

O comunicado da direção da Ordem dos Notários cita Jorge Silva, que refere que “o resultado obtido corresponde à vontade de mudança dos notários portugueses e uma opção por um processo de modernização da profissão sem precedentes”.

O novo bastonário manifesta “vontade de começar a trabalhar o mais rapidamente possível com o Governo e com os demais agentes na reforma de um sistema de justiça que precisa de inovar para corresponder às expectativas legítimas de cidadãos e empresas”.

O agora eleito líder dos notários portugueses acredita que “o futuro do notariado está na desmaterialização” e quer, por isso, fazer uma “revolução digital” que permita agilizar os processos, diminuir a burocracia e tornar a atividade de notário adequada às atuais exigências dos cidadãos, empresas e instituições.

O programa da lista de Jorge Silva defende ainda a ligação de todos os notários em rede e a criação de bases de dados centrais para partilha de informação, num novo ‘site’ da Ordem dos Notários com imagem e conteúdos destinados aos clientes.

O novo bastonário considera “preocupante a situação dos concursos para atribuição de licença que estão a impedir imensos colegas de começarem a sua carreira profissional de pleno direito”.

Para resolver este problema, Jorge Silva propõe que se implementem concursos anuais e universais.

O novo bastonário fundou duas ‘startups’ nos setores da desmaterialização de documentos com preservação do seu valor legal e gestão de identidade digital, e é membro do Grupo de Trabalho Permanente “Informação Documental” da Associação Portuguesa para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI).

Ler mais

Recomendadas

ISEG estima que economia portuguesa cresça até 4,5% em 2021

Os economistas desta facultade de economia anteveem, numa primeira análise, que o crescimento homólogo do PIB português no segundo trimestre se deverá situar entre os 10% a 15%.

Falta de mão de obra limitou crescimento do emprego nos Estados Unidos em abril

As empresas do sector não agrícola contrataram só 266 mil empregados, depois dos 770 mil verificados no mês de março. A taxa de desemprego subiu para os 6,1% em abril, mais 0,1 pontos percentuais do que o registado no mês anterior.

Governo garante que vai recorrer para tribunal para manter migrantes no Zmar (com áudio)

O ministro da Administração Interna disse hoje que o Governo não foi ainda notificado de nenhuma decisão do tribunal. Se for, os advogados governamentais já têm ordens para contestar a providência cautelar e manter os trabalhadores migrantes no complexo que tem uma licença de parque de campismo.
Comentários