Jornalismo em tempos de intolerância

Atacar verbal ou fisicamente, porque se discorda de algo ou alguém, é um sinal de fraqueza; de perda de razão; de intolerância. Esqueça-se cores políticas, clubes, religiões… A tolerância deve ser transversal.

Os mais distraídos poderão pensar que, de repente, Portugal tornou-se um país de intolerantes, que se assumem publicamente nos mais diferentes meios. A esses distraídos devemos dizer: têm andado (bastante) distraídos.

Os mais recentes, e infelizes, episódios desta saga de intolerância envolvem jornalistas e o seu trabalho. O romantismo associado à profissão diz-nos que o jornalista busca a verdade da história, consultando as várias partes envolvidas e cingindo-se aos factos. Sabemos que, como em qualquer profissão, há bons e maus profissionais e que, também nestes meios, há quem ultrapasse algumas fases do processo noticioso. Mas cinjamo-nos aos factos, esses que chateiam quando vêm ao de cima e deixam os intolerantes ainda mais irrequietos.

Um qualquer membro de um governo não deve nem pode destratar e atacar, como foi feito, uma peça jornalística. E apagar, depois, o comentário não é sinal de arrependimento. É antes a consciencialização de que não há separação entre o que diz o cidadão e o governante e que, além do erro, aquela não era nem a plataforma nem a forma corretas para o fazer.

Curiosamente, também na semana passada, um empresário foi condenado por ter tentado atropelar uma equipa de jornalistas do mesmo meio e do mesmo programa informativo. Como diriam os nossos irmãos brasileiros: andam a cutucar as feras. Eu diria de outra forma: devem andar a fazer um excelente trabalho.

Noutro meio, o do futebol, há muito que qualquer pessoa responsável se sente insegura fora e dentro de um estádio, sempre que há jogos que colocam frente a frente equipas rivais, os chamados grandes mas não só. De bolas de golfe a voar, a destruição nas ruas, até cânticos que mais do que impróprios são intolerantes. Sinal da intolerância de quem os entoa e absolutamente intolerantes para quem tem de levar com eles.

Dentro e fora dos estádios, é necessário ver-se um jogo de forma contida para não se ser atacado pelos adeptos do outro clube quando, por exemplo, a nossa equipa marca golo. Intolerância. A mesma que um empresário de futebol expressou, fisicamente, sobre um repórter de imagem. Infelizmente, proliferam casos como este, envolvendo altos dirigentes, de vários clubes, com comportamentos inaceitáveis e violentos.

Atacar verbal ou fisicamente, porque se discorda de algo ou alguém, é um sinal de fraqueza; de perda de razão; de intolerância. E desengane-se quem pensa que só há violência quando há público nos estádios. Mesmo com estádios vazios, a intolerância está lá. Basta ter-se assistido às transmissões televisivas nos últimos anos.

Esqueça-se cores políticas, clubes, religiões ou qualquer outro critério. A tolerância deve ser transversal.

Este artigo é a minha forma de dizer que não tolero nem aceito comportamentos destes, seja de políticos, de dirigentes desportivos, de colegas de trabalho ou de cidadãos desconhecidos.

Já agora, estrume é material orgânico em avançado estado de decomposição e usado como fertilizante. Muito útil na agricultura.

Recomendadas

Por que hei de gostar de futebol?

Eu sei que estou em contraciclo, visto que mais um campeonato de futebol europeu está aí à porta. Que eventos desta importância não sejam ensombrados por mais acontecimentos grotescos. Só assim poderei mudar a minha a opinião.

Dólar, ponto de situação

Nas sondagens cambiais de junho, as perspetivas de subida do euro face ao dólar foram revistas em alta, com o mercado a apontar para $1,24 daqui a um ano.

O Euro 2021, ai desculpe… 2020

Manter o nome do torneio tem o seu quê de estranho, pois lembra-nos que ainda vivemos numa espécie de ‘loop’ existencial, presos numa fase transitória da vida, entre a pandemia e o pós-pandemia.
Comentários