José Luís Moreira da Silva é o novo presidente da associação das sociedades de advogados de Portugal

A associação das sociedades de advogados portuguesas foi criada em 2002 e conta atualmente com cerca de 80 sociedades associadas de diferentes dimensões, quer no que respeita a número de sócios, associados e colaboradores quer no volume de carteira de clientes.

José Luís Moreira da Silva, sócio da SRS Advogados é o novo presidente da direcção da associação das sociedades de advogados de Portugal (ASAP) informou a entidade em comunicado esta quarta-feira, 30 de outubro.

A assembleia geral da ASAP decorreu no passado dia 24 de Outubro e elegeu os novos órgãos sociais para o próximo triénio, de 2019/2020. A associação das sociedades de advogados portuguesas foi criada em 2002 e conta atualmente com cerca de 80 sociedades associadas de diferentes dimensões, quer no que respeita a número de sócios, associados e colaboradores quer no volume de carteira de clientes.

A entidade foi criada para defender os interesses das sociedades de advogados portuguesas com total liberdade e independência e é a única associação do género em Portugal. Estuda e toma posição sobre tudo o que respeita ao exercício da advocacia sob forma societária.

A nova direção será ainda composta por José Costa Pinto, Miguel Torres, Vieira Peres, Teresa Brito da Silva e José Luís Esquível, respetivamente, das sociedades Costa Pinto, Telles, Morais Leitão, Abreu, PLMJ e Esquível. Na Mesa foram eleitos, Pedro Raposo, Nuno Pena e Duarte Abecassis, respetivamente das sociedades, Raposo Sá Miranda, CMS Rui Pena & Arnaut e Cuatrecasas. Finalmente, para o Conselho Fiscal foram eleitos, Ana Pinelas Pinto, Domingos Cruz e João Carvalhinho, respetivamente das sociedades, Miranda, CCA e LeggiTeam.

Recomendadas

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.

Futuro da Europa vai estar em debate na segunda-feira

Ana Gomes, Isabel Meireles, Pedro Madeira Froufe e Daniela Guimarães vão debater o futuro do projeto europeu, dado o atual momento de incerteza.

Direito dos consumidores a reembolsos por parte das transportadoras aéreas em tempos de pandemia

O objetivo da legislação europeia de permitir uma abordagem coordenada a nível da União acaba por ser posto em causa, quando cada Estado-membro, independentemente do disposto no Regulamento, tem uma abordagem de aplicação prática distinta e até contra legem.
Comentários