José Sócrates classifica declarações de Fernando Medina de “profunda canalhice”

O antigo primeiro-ministro deixou duras críticas à direção do Partido Socialista. “Grande parte desses que dizem essas coisas estão a ajustar contas com a sua própria cobardia moral”, referiu em entrevista à “TVI”.

José Sócrates comentou na entrevista desta quarta-feira, 14 de abril, à “TVI” as declarações do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, no seu espaço habitual de comentário daquela estação, condenou o antigo primeiro-ministro de “rompimento de laços de confiança” entre eleitores e eleitos do Partido Socialista (PS).

“São declarações que a meu ver são de uma profunda canalhice, não quero falar mais sobre isso, mas quero responder. E a minha resposta é que o Partido Socialista devia ter vergonha de desconsiderar aquilo que são os direitos, liberdades e garantias fundamentais que fizeram a cultura política do PS em 1975 pela liberdade”, afirmou.

Para José Sócrates as declarações do autarca merecem a sua repugnância, mas salientou que Fernando Medina “não é a personagem essencial”, mas quem lhe manda dizer isso, que é a liderança do PS e a sua direção. “Essas declarações dizem tudo sobre o que realmente pensa a direção do Partido Socialista, que é, que pode e deve fazer uma condenação sem julgamento, sem defesa. Esquecer até o princípio da presunção de inocência base”, realçou.

O antigo primeiro ministro referiu que tomou a decisão correta quando saiu do Partido Socialista, porque já não aguentava mais o silêncio. “Grande parte desses que dizem essas coisas estão a ajustar contas com a sua própria cobardia moral. Não disseram uma palavra quando fui detido no aeroporto com televisões, argumentando com perigo de fuga”, salientou.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou esta terça-feira o antigo primeiro-ministro José Sócrates, arguido na “Operação Marquês”, de corroer o “funcionamento da democracia”. O dirigente socialista e autarca lisboeta responsabilizou José Sócrates pelo “rompimento de laços de confiança” entre eleitores e eleitos, ao ser julgado por “um crime no exercício de funções um ex-primeiro-ministro”.

“É a primeira vez na nossa história que teremos em julgamento um ex-primeiro-ministro e, independentemente, da natureza mais ou menos extensa do crime sabemos que é um crime em exercício de funções com uma moldura penal significativa de cerca de 12 anos”, disse Fernando Medina, no seu espaço habitual de comentário na TVI.

Segundo o autarca lisboeta, que foi o primeiro dirigente socialista a quebrar o silêncio sobre a “Operação Marquês”, o facto de José Sócrates ter sido pronunciado pela prática de seis crimes (três de branqueamento de capitais e outros três por falsificação de documentos) é “fundador de um profundo sentimento de desconfiança na sociedade portuguesa e de descrença na relação entre eleitores e eleitos”.

O ex-primeiro ministro José Sócrates vai ser pronunciado por três crimes de branqueamento de capitais e um de falsificação de documentos e terão de ir a julgamento.

Um dos crimes diz respeito à utilização das contas bancárias junto do Montepio Geral da arguida Inês do Rosário (mulher de Santos Silva); um refere-se ao uso das contas bancárias do arguido João Perna (motorista) e um é de lavagem de 163.402,50 euros entre 2012-2014.

O crime de falsificação documental deve-se à produção do uso de documentação referente ao arrendamento do apartamento de Paris, aos contratos de prestação de serviços entre a RMF Consulting e Domingos Farinho e aos contratos entre a RMF e António Manuel Peixoto.

Ler mais
Relacionadas

Medina acusa Sócrates de romper “laços de confiança” entre eleitores e eleitos

O dirigente socialista e autarca lisboeta responsabilizou o ex-primeiro-ministro por descredibilizar o sistema político e corroer o “funcionamento da democracia”, ao ser julgado por “um crime no exercício de funções um ex-primeiro-ministro”, no âmbito da “Operação Marquês”.

José Sócrates: “Ao longo dos meus seis anos de mandato nunca houve um ato concreto de corrupção”

Em entrevista à “TVI”, o antigo primeiro ministro considera que o juiz Ivo Rosa “não fez mais que o seu dever” ao anular os crimes de corrupção pelos quais José Sócrates era acusado.

De Costa a Portas: como o país político reagiu à decisão instrutória da Operação Marquês

Da esquerda à direita, o país político reagiu à decisão da instrução sobre a Operação Marquês e que fez cair todos os crimes de corrupção apontados ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.
Recomendadas

Ministra da Saúde diz que abril foi “um dos meses mais produtivos” na retoma do SNS

A ministra avançou que “o mês de abril terá sido um dos meses mais produtivos do SNS, tendo conseguido ultrapassar mais de dois milhões e meio de consultas a mais nos cuidados de saúde primários, mais de 400 mil consultas a mais na área hospitalar e mais de 32 mil cirurgias a mais na atividade hospitalar”.

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Líder comunista duvida que “bazuca dos milhões” dê resposta aos problemas do país

Num comício na Praça 08 de maio, no coração da cidade de Coimbra, na apresentação dos candidatos do partido à Câmara e Assembleia Municipal, o dirigente comunista falou de um país que “andou para trás”, num período de pandemia em que “se avolumam problemas de dimensão económica e social”.
Comentários