Juiz Carlos Alexandre ordenou à NOS, Eurobic e Efacec que bloqueiem direitos de Isabel dos Santos

A justiça portuguesa pretende evitar que ocorram alegados atos de dissipação de património por parte da empresária angolana, segundo o jornal online “Observador”. O Jornal Económico confirmou que na última AG do EuroBic as empresas de Isabel dos Santos já não puderam votar.

Tiago Petinga/Lusa

Os presidentes dos concelhos de administração da NOS, Eurobic e Efacec foram notificados pelo juiz Carlos Alexandre para bloquearem os direitos de voto das empresas de Isabel dos Santos que são acionistas, noticiou esta terça-feira o jornal online “Observador”.

A decisão faz com que Ângelo Paupério, Diogo Barrote e Ângelo Ramalho, respetivamente, fiquem obrigados a registar nos livros de ações das sociedades o arresto preventivo ordenado pelo Tribunal Central de Instrução Criminal a pedido de Angola e também a informar o juiz sobre o local onde estão depositados os títulos pertencentes às sociedades da empresária, para que sejam logo apreendidos e depositados na Caixa Geral de Depósitos à ordem do Ministério Público.

De acordo com a mesma publicação, a justiça portuguesa pretende evitar que ocorram alegados atos de dissipação de património por parte de Isabel dos Santos. Além disso, serve a notificação judicial para que a NOS, o Eurobic e a Efacec e os seus acionistas tenham noção legal de que os direitos estatutários e económicos das ações pertencentes à filha do ex-presidente de Angola estão bloqueados.

O Jornal Económico confirmou que na última Assembleia Geral do EuroBic as empresas que pertencem à empresária angolana já não puderam votar.

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários