Juncker sobre o Brexit: “Eles têm de pagar o que devem”

O presidente da Comissão Europeia disse várias vezes que o Reino Unido tem de pagar o que deve à União Europeia.

Vincent Kessler/Reuters

O Reino Unido deve comprometer-se a pagar o que deve à União Europeia, antes que as negociações possam começar, disse Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, esta sexta-feira.

“Os britânicos estão a descobrir, como nós, novos problemas dia após dia. Esta é a razão pela qual este processo levará mais tempo do que o pensado inicialmente “, disse Juncker no Luxemburgo, citado pela Reuters.

“Por enquanto, no que diz respeito aos compromissos financeiros do Reino Unido, não conseguimos chegar a um acordo. Como não somos capazes de resolver esta situação neste momento, não podemos dizer no Conselho Europeu para passar para a segunda fase das negociações”.

“Eles têm de pagar”, repetiu o presidente da Comissão Europeia, acrescentando que o pagamento não precisa de ser feito “de forma impossível. Não estou a vingar-me, eu não odeio os britânicos, mas têm de pagar”.

 

Relacionadas

Independência poderia alastrar. Juncker não quer UE a 98

“Não me agradaria que daqui a 15 anos a União Europeia fosse formada por 98 estados. Já é relativamente difícil com 28, não será mais fácil com 27, mas com 98 creio que seria impossível”, sublinha o presidente da Comissão Europeia.
Recomendadas

Húngaros e polacos entre os europeus menos favoráveis ao resgate de refugiados

O estudo realizado pelo centro norte-americano, Pew Research Center, revela que 80% dos europeus apoia o resgate aos refugiados. A Hungria e a Polónia ocupam o fim da lista.

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Síria: governo e oposição apoiam o acordo entre a Rússia e a Turquia

Damasco diz que o pacto testará a influência de Ankara em Idlib, enquanto os líderes da oposição a al-Assad no exílio celebram uma vitória contra o ditador.
Comentários