Juros das ‘bunds’ alemãs abaixo da taxa de depósito definida pelo BCE

A rentabilidade dos juros das ‘bunds’ alemãs caíram para -0,41% durante a sessão desta quinta-feira, abaixo da taxa de juro de depósitos definida pelo Banco Central Europeu, fixada em -0,4%. Isto significa que a Alemanha cobra mais aos investidores do que o BCE cobra aos bancos para guardar os excessos de liquidez.

Reuters

As taxas de juro da dívida alemã a dez anos, a referência para a Europa, chegou a estar abaixo da taxa de juro de depósitos definida pelo Banco Central Europeu (BCE), que está fixada atualmente em -0,4%.

A rentabilidade dos juros das bunds alemãs caíram para -0,41% durante a sessão desta quinta-feira. Assim, uma vez que taxa de juro de depósito corresponde à remuneração recebida por um depósito, a situação verificada esta quinta-feira significa que a Alemanha cobra mais aos investidores do que o BCE cobra aos bancos para guardar os excessos de liquidez.

De acordo com o “El Economista”, teoricamente as yields da dívida alemã benchmark abaixo de 0,4% significa que a dívida alemã oferece mais segurança do que os próprios fundos do BCE, lê-se na publicação. O mercado já está a descontar a queda das taxas de juro que se deverá produzir a partir de setembro – prevendo-se que baixem para -0,5% em setembro e para -0,6% em dezembro.

No entanto, como o bund alemão já está está a pagar menos que as taxas de depósito definidas pelo BCE, espera-se que a redução nas taxas de juro esteja iminente, e poderá acontecer no dia 25 de julho, data da próxima reunião do banco central.

Relacionadas

“Herança muito perigosa”. Draghi deixa a Lagarde situação difícil, analisam economistas

Para Pedro Lino, economista e administrador da Dif Broker e da Optimize, “o testemunho que é passado a Christine Lagarde [na liderança do BCE] é diferente porque é uma bolha ainda maior”, sendo “uma herança muito perigosa que terá de ser gerida de maneira muito cautelosa”.

Setor bancário europeu continua a precisar de consolidar, afirma responsável do BCE

Andrea Enria falou hoje em Lisboa na conferência Anual do Centro de Investigação, Regulação e Supervisão Financeira, e refletiu sobre a dimensão do setor bancário.

Lagarde deverá manter herança de Draghi no BCE

Christine Lagarde assume a presidência do Banco Central Europeu no final de outubro. A sucessora de Mario Draghi não tem experiência em bancos centrais, mas tem defendido a importância dos estímulos que estes fazem. Com o desacelerar do crescimento da economia, taxas de juro baixas deverão ser para continuar.
Recomendadas

Sonae SGPS e BCP impulsionam PSI 20 no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,96% para 5.093,92 pontos, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Recompra de ações da Microsoft entusiasma Wall Street

No início da sessão, desta quinta-feira, o S&P 500 cresce 1,10%, para 2.919,80 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 1,42%, para 7.968,83 pontos e o industrial Dow Jones sobe 1,15%, para 26.335,93 pontos.

Banco de Inglaterra diz que alterações futuras às taxas de juro dependem do tipo de Brexit

O Banco de Inglaterra manteve a taxa de juro inalterada em 0,75% e faz depender as mexidas na forma como o Brexit vier a ocorrer. No caso de um Brexit duro, o banco central admite que a taxa de juro vai “provavelmente descer”. Mas, no caso de uma saída da União Europeia ordenada, poderá aumentar as taxas de juro “a um ritmo gradual e até a um determinado limite”.
Comentários