PremiumKanye West: De eleitor de Trump a autoproclamado candidato a retirá-lo da Casa Branca

Produtor, cantor, compositor, estilista e empresário, Kanye West consagra em si a definição de artista. Agora quer competir com Donald Trump e Joe Biden nas presidenciais e em caso de vitória promete governar os Estados Unidos como se fossem Wakanda, país fictício do super-herói da Marvel Black Panther.

Desde a independência dos Estados Unidos da América, em 4 de julho de 1776, já passaram pela Casa Branca carreiristas da política, advogados, diplomatas, militares, académicos, empresários, bem como dois fazendeiros, um engenheiro, um jornalista, um explorador e um ator. Mas nunca um músico, que também é produtor, compositor, empresário e estilista, entrou na corrida pela presidência dos Estados Unidos. Muito menos chegou a presidente do país do Tio Sam. É mesmo isso que Kanye West, de 43 anos, pretende fazer num país onde a política não raras vezes se confunde com o mundo do espectáculo e do entretenimento.

Foi nos MTV Video Music Awards de 2015 que Kanye West avisou, pela primeira vez, que queria concorrer à Casa Branca em 2020. Ainda chegou a apontar a candidatura só para 2024, mas é mesmo neste ano, a 3 de novembro, que pretende ir a votos. Marketing ou ativismo, não é evidente o efeito que uma candidatura do rapper pode surtir no eleitorado de Joe Biden e Donald Trump – o empresário Ross Perot foi o último outlier na política norte-americana, tendo dividido o eleitorado nas presidenciais de 1992 e aberto caminho à eleição do democrata Bill Clinton sobre o então presidente em funções, o republicano George Bush.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Quantos ‘entretainers’ cabem na Casa Branca?

A tentação da transferência da área do espetáculo para a política sem abandonar os palcos vai-se repetindo em diversas geografias do ocidente. Kayne West é a mais recente tentativa – parece que mal calculada – num segmento onde as grandes referências são Donald Trump e Silvio Berlusconi.

Kanye West rejeita apoio a Trump e revela que já teve Covid-19

O rapper norte-americano Kanye West, que anunciou recentemente a candidatura a Presidente dos Estados Unidos, disse hoje que não apoia o chefe de Estado, o republicano Donald Trump, e que já esteve infetado com o novo coronavírus em fevereiro.

O que tem Kanye West de fazer para entrar na corrida à Casa Branca?

Até ao momento, o músico não revelou mais detalhes das suas pretensões. Procurar apoios junto dos partidos ou uma candidatura independente? Quanto a apoios, West já conta com o do dono da Tesla e SpaceX, Elon Musk: “Tens todo o meu apoio”.

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos Estados Unidos

“Agora devemos cumprir a promessa dos Estados Unidos confiando em Deus, unificando a nossa visão e construindo o nosso futuro”, referiu o músico norte-americano nas redes sociais.
Recomendadas

PremiumJuan Carlos I: O rei sai nu

O exílio do rei emérito é a última oportunidade de preservação da monarquia espanhola – apesar de a possibilidade de secessão ser o verdadeiro problema do país. Juan Carlos ficará conhecido na história como o rei que atirou para o lixo a página dourada que sobre ele já tinha sido escrita e a substituiu por uma garatuja onde se acotovelam animais mortos, amantes e corrupção.

PremiumRicardo Costa: Identidade apurada ao sabor do tempo

40 anos de idade, 20 anos de carreira e 10 anos à frente do restaurante The Yeatman, com uma vista imperdível sobre o rio Douro. O chef Ricardo Costa soma números redondos de idade e experiência, além das duas estrelas Michelin que já tinha no cardápio, num ano que não está a ser fácil para o mundo. Fomos conhecer o homem por detrás da jaqueta de chef.

PremiumNasdaq: O imparável índice que avança à alta velocidade tecnológica

A aceleração da transição digital em tempos de pandemia, aliada ao apetite dos investidores pelo risco, tem levado o Nasdaq Composite a quebrar recordes sucessivos. Gigantes tecnológicas como a Apple, a Amazon, a Google e a Microsoft dominam um ‘rally’ que os analistas dizem que não deverá travar nos próximos tempos.
Comentários