Kwanza teve variação de quase 250% desde 2017 e vai continuar a cair, prevê economista

O investigador da School of Oriental and African Studies University of London salientou que existe uma interligação entre a desvalorização do kwanza, a política cambial, a inflação e a política monetária, “um problema que não é de hoje”, embora se tenha acentuado.

O kwanza, moeda angolana, teve uma variação cambial de quase 250% desde 2017, uma estratégia necessária para defender as reservas líquidas internacionais, mas não suficiente, porque o país ainda precisa de dinamizar o setor produtivo, defende o economista Fernandes Wanda.

O investigador da School of Oriental and African Studies University of London salientou que existe uma interligação entre a desvalorização do kwanza, a política cambial, a inflação e a política monetária, “um problema que não é de hoje”, embora se tenha acentuado.

Fernandes Wanda notou que o kwanza sempre se desvalorizou face ao dólar, exceto entre 2004 e 2008, período em que teve um câmbio favorável graças a um programa de estabilização macroeconómico apoiado nos preços do petróleo que permitiu a constituição de reservas líquidas.

“Se calcularmos de 2017 até agora, o kwanza teve uma variação de 249% [no mercado primário], o que é brutal, mas era necessário porque o Banco Nacional de Angola (BNS) precisava de defender as suas reservas”, afirmou o académico, realçando que a valorização ancorada nas reservas internacionais líquidas, que por sua vez estavam ancoradas no preço do petróleo, “foi uma estabilidade muito frágil”.

A partir de 2018, o BNA mudou de estratégia, tentando a estabilização macroeconómica através da política monetária, mas continua a precisar de reservas, ou seja, de divisas em moeda forte, porque Angola depende muito das importações e quer facilitar a atração de investimento estrangeiro.

“Os empresários querem investir num país [em] que saibam que podem repatriar dividendos, é uma medida importante para captar investimento direto estrangeiro”, sublinhou o especialista.

As Reservas Internacionais Líquidas (RIL) do país, até final de maio, foram contabilizadas em 10,2 mil milhões de dólares, sendo inferiores ao investimento direto.

“Se olharmos para o ‘stock’ de investimento direto , no final de 2019, rondava os 18,6 mil milhões, o que significa que, se todos os investidores se quisessem retirar, Angola não teria condições de reembolsar esse valor, porque as reservas estão abaixo”, disse Fernandes Wanda, acrescentando que “isto é um mau indicador”.

O BNA defende agora as reservas através da política monetária e ajustou o coeficiente de reservas obrigatórias de moeda nacional de 17 para 22%, um coeficiente que poderia ser reduzido “para dar liquidez ao mercado”, desde que fosse bem monitorizado, advoga o economista angolano.

“Se baixassem para 15% ou 20% iria haver liquidez, mas aumentaria a inflação. A forma de evitar isso e monitorizar o valor que vai ser libertado é canalizá-lo para o crédito ao setor produtivo, que não tem recebido o suficiente”, continuou Fernandes Wanda, prevendo que o nível de desvalorização se vai manter enquanto isso não acontecer, para mais numa altura em que o mundo luta ainda para controlar a pandemia de covid-19.

“Angola depende das importações e a principal fonte de divisas, que permitem as importações, também esta a cair, que é o petróleo. Vai continuar com tendência a baixar se o mundo não conseguir controlar os novos surtos e estabilizar a situação de pandemia, não vai haver consumo”, indicou.

Ler mais

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários