Laschet assume responsabilidade pelo fracasso dos conservadores na Alemanha

Nas eleições legislativas de 26 de setembro, a CDU obteve, com 24,1% dos votos, o pior resultado da sua história, ficando em segundo lugar atrás dos sociais-democratas.

Christian Marquardt/EPA

Armin Laschet assumiu este sábado, 16 de outubro, a “responsabilidade” pelo fracasso dos conservadores nas eleições legislativas alemãs no final de setembro, admitindo que o seu partido vai juntar-se à oposição após 16 anos no poder.

“A responsabilidade por este resultado é minha como dirigente e candidato. Sou o responsável pela campanha eleitoral e pelo seu fracasso”, declarou durante o congresso de jovens democratas-cristãos da CDU que decorre em Münster este fim de semana.

“Obtivemos um resultado amargo” e “nada pode ser ignorado”, acrescentou.

Laschet estimou que os conservadores deviam agora preparar-se para juntar-se à oposição no Bundestag e disse que em breve vai deixar o cargo de presidente da região da Renânia do Norte-Vestfália, a mais populosa da Alemanha.

Nas eleições legislativas de 26 de setembro, a CDU obteve, com 24,1% dos votos, o pior resultado da sua história, ficando em segundo lugar atrás dos sociais-democratas.

Os sociais-democratas lançaram na sexta-feira as bases para um futuro Governo de coligação com os ecologistas e os liberais.

Estes três partidos alemães anunciaram um acordo para formar o próximo Governo – o social-democrata (SPD), os Verdes e o Liberal Democrata – querem antecipar o abandono do carvão como principal fonte energia, passando a meta para 2030.

A data prevista para este objetivo é, atualmente, 2038.

O SPD, de Scholz, foi o partido mais votado nas eleições legislativas de 26 de setembro, com 25,7%, enquanto os Verdes obtiveram o melhor resultado da sua história numa eleição nacional, com 14,8%, e os liberais registaram 11,5% dos votos.

O acordo tripartido entre social-democratas, verdes e liberais era, portanto, a opção mais provável para formar o Governo que sucederá à atual coligação no poder, liderada pela conservadora Merkel.

Os conservadores, cujo candidato a chanceler era Armin Laschet, obtiveram 24,1% dos votos.

Recomendadas

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.

Turquia pede ao Conselho da Europa que evite sanções contra o país

A Turquia apelou ao Conselho da Europa para evitar qualquer penalização contra o país, numa altura em que se mantém a ameaça de uma rara sanção pela detenção sem julgamento do mecenas Osman Kavala.

Alemanha em mudança com foco no novo ministro das Finanças. Ouça o podcast “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Do novo Governo da Alemanha ao divórcio entre eleitores e poder político na Argélia passando pelos conflitos entre Reino Unido e França com o Brexit pelo meio. Tensão é a palavra que marca esta edição do podcast do JE, que conta com a análise do embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários