Lavar os cestos

O que mais vai marcar a curto prazo o futuro da Europa são o Brexit e as eleições americanas, dentro de mês e meio. A vitória permanece incerta, se bem que Biden vá segurando a sua (curta) vantagem.

Este fim de 2020 não será sem sobressaltos. A Covid não desapareceu, e está a mudar muita coisa com consequências que ainda não conseguimos abarcar. Se fossem filmados hoje, no Reino Unido pós-regra dos seis, com Branca de Neve só haveria seis anões e ela não poderia estar com eles na mesma divisão, e Ali Bábá só teria pela frente meia dúzia de ladrões, o que, convenhamos, impressiona pouco; pior, um jantar de família transformou-se num delito. Temos hoje uma mudança radical do nosso dia a dia, das idas ao restaurante e serões com amigos à utilização frequente do omnipresente desinfetante. Uma vacina não é esperada antes de meados do ano que vem, e mesmo depois desta há sinais que vão ficar.

Há, também, boas notícias. O capitano perdeu as eleições deste fim de semana em Itália, o que permite a Conti e seu governo de coligação respirar. E é a segunda vez que acontece, depois da vitória em janeiro na Emilia-Romanha. O populismo não está vencido, mas não está a concretizar a caminhada triunfal que lhe foi vaticinada há um par de anos. E muito se jogava em Itália, sobretudo na Toscânia, bastião tradicional da esquerda, que a governa há 25 anos. É a região com melhores serviços públicos, com desemprego muito abaixo da média nacional e onde as exportações cresceram mais. Perder Florença teria sido um desastre que poderia levar à queda do Governo. Agora, olhos na Bielorrússia, onde poderemos ter o reeditar das intervenções russas dos velhos tempos.

Mas o que mais vai marcar a curto prazo o futuro da Europa são o Brexit e as eleições americanas, que se dão daqui a mês e meio. A vitória permanece incerta, se bem que Biden vá segurando a sua (curta) vantagem. Na frente económica, a Reserva Federal já disse que as taxas de juro se vão manter baixas até final de 2023 (estão entre 0 e 0,25%), para segurar a economia e porque a inflação não chegará aos 2% até esse ano. Isto apesar de já terem sido recuperados metade dos 22 milhões de empregos perdidos e da previsão de queda do PIB este ano ter sido revista de 6,5% para 3,7%.  O BCE faz de même: em março aliviou os requisitos de fundos próprios dos bancos e em junho abriu-lhes uma linha de financiamento a longo prazo a taxas negativas.

Na outra direção temos, claro, Boris e a odisseia do Brexit. Com a imprevisibilidade que o carateriza, propôs legislação que renega o acordo de saída da União que ele próprio assinou, o que provocou a revolta até de deputados conservadores, a quem teve que prometer uma espécie de direito de veto no Parlamento. Como um homem educado faz destas (ele estudou em Eton) é talvez um mistério, mas já dizia Molière que um doido erudito é mais doido que um doido ignorante.

Recomendadas

As reversões têm de ser muito bem explicadas

Portugal não pode dar-se ao luxo de ser visto como o país onde as reversões são o “novo normal”. Importa comprovar que prevalece o interesse público e não o de ‘lobbies’ desejosos de deitar a mão a estas concessões.

O presidente vai nu

Sobre o balanço da presidência de Obama, escrevi que “o próximo tente fazer melhor”. Infelizmente, Trump não fez melhor. Em muito aspetos nem sequer tentou fazer melhor.

As lições dos Açores

As eleições regionais desferiram, com surpresa face às sondagens, um enorme murro no estômago do poder vigente em Portugal, o do PS de António Costa.
Comentários