Lavar ruas e encher piscinas pode ser proibido temporariamente se a seca agravar  

A situação no país não é ainda grave, como a seca severa de 2017, mas é já “preocupante”.

O Governo ordenou à Águas de Portugal a pré-contratação de camiões cisternas para o risco de haver aldeias que venham a precisar de ser abastecidas com água, como aconteceu há dois anos em Trás-os-Montes e Beira Baixa.

A situação no país não é ainda grave, como a seca severa de 2017, mas é já “preocupante”, admitiu o ministro do Agricultura, Capoulas Santos,  esta quarta-feira, no final da reunião do grupo interministerial que gere as crises de seca.

O ministro do Ambiente, que integra a Comissão Interministerial de Acompanhamento da Seca a par do ministro da Agricultura coloca mesmo em cima da mesa algumas medidas restritivas, no caso da situação se agravar:  Lavar as ruas, encher piscinas e regar zonas verdes pode vir a ser proibido temporariamente.

Neste cenário, de acordo com a TSF, também pode vir a diminuir a pressão da água que sai das torneiras, tal como já aconteceu noutras alturas em várias localidades no Alentejo.

Em fevereiro, mais de metade do país estava em situação de seca moderada e uma parte do sul – quase 5% do território – já estava em seca severa.

Na agricultura já foram anunciados cortes: os agricultores que têm as explorações fora dos blocos de rega do Alqueva foram avisados que só vão ser aceites propostas para as culturas anuais, como melão, trigo, feijão ou batata e não há autorização para fornecer água a culturas permanentes de alto rendimento, como oliveiras, amendoeiras, vinha e árvores de fruto.

Ler mais
Recomendadas

Gondomar acolhe Festival Nacional de Robótica

O evento promovido pela Sociedade Portuguesa de Robótica (SPR).

PremiumLisboa vai cobrar nova taxa a quem apanhar táxi na Portela

Autarquia admite negociação para novo regulamento de acesso de veículos ao aeroporto da capital. Presidente da Antral rejeita cobrança adicional.

Governo quer mais famílias de acolhimento e vai rever medida para mais direitos e apoios

Fonte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) explicou que, desta forma, o Governo se propõe rever e reformular esta medida de proteção, na sequência das propostas de um grupo de trabalho criado em 2017 e constituído pelo Instituto da Segurança Social, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e Casa Pia.
Comentários