Lay-off e apoio à retoma custaram 502 milhões de euros aos cofres do Estado no primeiro trimestre

A despesa em apoios Covid da Segurança Social disparou no primeiro trimestre de 2021 para 804 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, segundo dados das Finanças. A despesa das medidas de apoios aos custos de trabalho “representa 51% da execução de todo o ano de 2020”.

DR

As medidas excecionais e temporárias da Segurança Social, no âmbito da pandemia, custaram 804 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, com o layoff e o apoio à retoma progressiva a representar a fatia-leão, numa despesa de 502 milhões de euros. Os dados são do Ministério das Finanças, em antecipação à execução orçamental, que será publicada na próxima segunda-feira.

“A despesa em apoios Covid/Segurança Social disparou no primeiro trimestre de 2021”, refere o ministério de João Leão, dando conta que as medidas extraordinárias da Segurança Social atingiram 804 milhões de euros no primeiro trimestre.

As Finanças sublinha que esta despesa representa 42% da despesa de todo o ano do ano passado e “representa um valor superior ao que tinha sido orçamentado para todo o ano de 2021 (776 milhões de euros)”.

Da despesa das medidas excecionais e temporárias, as medidas de apoios aos custos de trabalho representaram 502 milhões de euros, um valor que “representa 51% da execução de todo o ano de 2020”, segundo o Governo. O lay-off simplificado custou aos cofres do Estado 273 milhões de euros, enquanto o apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade representou uma despesa de 229 milhões de euros.

No apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores, incluindo trabalhadores independentes, “já foram executados 155 milhões de euros (43% da execução do ano passado)”.

Nas outras prestações sociais, 51.605 milhões de euros foram gastos com o isolamento profilático, 48 milhões de euros com o subsídio da doença Covid, 33.809 milhões de euros com o apoio excecional à família, 10 milhões de euros com subsídios de assistência a filho e a neto e 2.724 milhões de euros com prestações por doenças profissionais.

Ler mais

Recomendadas

Confederação do Turismo: abertura do corredor turístico com Reino Unido é “ótima notícia”

Questionado se está preocupado que a forte afluência de turistas nesta fase possa fazer aumentar o número de novas infeções por covid-19, o presidente da CTP afirmou que não, sustentando que tal se deve ao facto de “todos os turistas, sem exceção,” terem de apresentar “um teste negativo realizado nas 48 horas anteriores” a desembarcarem em qualquer um dos aeroportos nacionais.

Portugal recebe 55,5 milhões de euros de Fundo de Solidariedade da UE após novo aval do PE

Em causa está um ‘bolo’ total de 484,2 milhões de euros do Fundo de Solidariedade da União Europeia para ajudar regiões europeias atingidas por catástrofes, dos quais 397,5 milhões de euros se destinam a 17 países da UE e três países candidatos para enfrentarem a Covid-19.

Merlin vai investir 150 milhões de euros na plataforma logística de Castanheira do Ribatejo

Na cerimónia de inauguração deste emprendimento logístico, que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, o CEO da Merlin Properties revelou que o grupo dispõe de um total de ativos sob gestão que já ascendem a cerca de 12 mil milhões de euros, gerando um rendimento anual de cerca de 500 milhões de euros
Comentários