Layoff impulsiona remunerações mensais em 1,6% no segundo trimestre

O regime layoff fez com que os salários dos trabalhadores aumentassem, em média, 1,6% para 1,326 euros, no segundo trimestre deste ano.

A remuneração bruta mensal média por trabalhador aumentou 1,6% para 1,326 euros, no segundo trimestre deste ano, quando comparado com o mesmo período de 2019. Esta variação é inferior em 1,6 pontos percentuais (p.p.), à observada em março de 2020 (3,2%).

Segundo as estimativas do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgadas esta quinta-feira, o mesmo se verificou com a componente regular daquela remuneração (2,6%) — que exclui, entre outras componentes salariais, os subsídios de férias e de Natal — bem como com a remuneração base (3,0%), que atingiram, respetivamente, 1,065 e 1,005 euros.

Este aumento foi “significativamente” influenciado pela instituição do regime de layoff simplificado, explica o órgão de estatística nacional. Efetivamente, entre as empresas que recorreram a este regime, a variação nominal homóloga das remunerações médias total, regular e base situou-se, respetivamente, em menos 2,0%, 0,1% e mais 0,7%, enquanto no conjunto das restantes empresas se fixou em mais 5,5%, 5,5% e 5,6%, pela mesma ordem.

Segundo o INE, em termos reais, tendo em consideração a taxa de variação do índice de preços do consumidor, no mesmo período, as remunerações médias por trabalhador aumentaram 1,8% (total), 2,8% (regular) e 3,3% (base), respetivamente.

Estes resultados dizem respeito a cerca quatro milhões de postos de trabalho, correspondentes a beneficiários da Segurança Social e a subscritores da Caixa Geral de Aposentações

Recomendadas

Desemprego vai ultrapassar 20% este ano em 11 concelhos. Albufeira com pior desempenho

NOVA IMS e COTEC Portugal disponibilizam, a partir desta quinta-feira, através do ‘dashboard COVID-19 Insights’, as primeiras previsões mensais do desemprego em Portugal por região e concelho. Taxa nacional deve atingir 10,2% no final do ano.

Fórum para a Competitividade pede programa de recuperação menos focado no Estado

Luís Mira Amaral, presidente da mesa da Assembleia Geral do órgão, critica fortemente a visão de Costa Silva e sobretudo o Plano de Recuperação e Resiliência que, além de partirem de um diagnóstico errado, focam-se excessivamente no Estado.

Ampliação de estímulos monetários não está a ser equacionada pelo BCE, sublinha Luis de Guindos

“Ainda não gastámos todas as munições. Vamos prolongar o programa pelo menos até meados de 2021 e, se necessário, poderemos ajustá-lo e recalibrá-lo no futuro”, segundo o vice-presidente do BCE à “Market News International”.
Comentários