Leão: Tratar moratórias fora do quadro da EBA seria perigoso para o país

O ministro de Estado e das Finanças afirmou hoje que seria perigoso e contraproducente para o país tratar das moratórias do crédito fora do quadro da Autoridade Bancária Europeia (EBA).

“Tomar decisões fora do quadro da EBA seria muito perigoso para o país”, disse João Leão, avisando que seria contraproducente e levaria a que fossem criadas “situações perigosas” para o sistema financeiro e para os próprios clientes (particulares e empresariais).

O aviso de João Leão junta-se aos do governador do Banco de Portugal e do presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB) e chega num contexto em que os deputados estão a discutir na especialidade um projeto do PCP que prevê o prolongamento por mais seis meses das moratórias e a extensão do prazo para adesão à moratória pública até 30 de abril – prazo que devido ao calendário da discussão o deputado Duarte Alves admitiu ter de ser alterado.

O requerimento do PS prevê ainda uma consulta por escrito à EBA.

A adesão às moratórias públicas por parte de empresas e particulares terminou em 31 de março e permitem que, no máximo, os encargos com o crédito (capital e/ou juros) possam ser diferidos por mais nove meses. Regra geral, contudo, a moratória pública termina em 30 de setembro.

O ministro disse ainda estar em curso um trabalho de acompanhamento para perceber as implicações do fim das moratórias, lembrou que os bancos estão a fazer um acompanhamento dos clientes e que o Plano de Recuperação e Resiliência terá um conjunto de instrumentos dirigidos às empresas.

Relacionadas

João Leão prevê que TAP fique adequadamente capitalizada em 2022

O ministro das Finanças disse hoje que com a injeção de capital que está prevista para a TAP, a companhia deverá estar adequadamente capitalizada em 2022 e em condições de se financiar no mercado.

Portugal já financiou 60% das necessidades anuais de financiamento, sinaliza Leão

Ministro das Finanças destacou esta terça-feira que “esta é a primeira vez na nossa história que emitimos dívida pública a 10 anos com juros negativos”.

Leão deixa recados a Ramalho: Administração do Novo Banco deve ser “pacata”, “prudente” e exigir “o menos possível transferências”

Numa altura em que o Novo Banco aguarda a nova injeção de capital e entrou na corrida ao Eurobic, o ministro das Finanças aconselha a administração do Novo Banco a centrar-se na “boa gestão” das contas. “Consideramos que a administração do Novo Banco deve estar focada na boa gestão do Novo Banco e deve estar preocupada em rentabilizar os ativos que tem, de modo a exigir o menos possível ao Fundo de Resolução e ao resto do sistema financeiro”, disse.
Recomendadas

Banco de Espanha revê em alta previsão de crescimento do país para 6,2% em 2021

A instituição publicou esta segunda-feira o seu relatório trimestral sobre a economia espanhola no qual indica que a melhor evolução da economia está ligada à menor incidência da pandemia de covid-19, ao progresso da vacinação e a uma maior absorção dos fundos europeus.

Von der Leyen: Certificado Covid-19 aprovado num recorde de 62 dias (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, saudou hoje os responsáveis da presidência portuguesa da União Europeia (UE), Parlamento Europeu (PE) e executivo comunitário por terem conseguido aprovar o certificado digital covid-19 num recorde de 62 dias.

Inflação homóloga aumentou para 1,2% em maio

A classe com maior contributo positivo para a variação mensal do IPC foi a dos ‘transportes’, com uma variação mensal de 0,7% (0,5% no mês anterior e -1,3% em maio de 2020). Em sentido inverso, a classe com maior contributo negativo para a taxa de variação mensal do índice total foi a do ‘lazer, recreação e cultura’, com uma variação mensal de -0,6% (-0,3% em abril e -1,6% em maio de 2020).
Comentários