Lei laboral: O que dizia o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

Partidos à esquerda do PS vão pedir apreciação da lei laboral ao Tribunal Constitucional e recordam acórdão de 2008 sobre o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores indiferenciados.

Em dezembro de 2008, o Tribunal Constitucional (TC) considerou inconstitucional as alterações à legislação laboral sobre o alargamento do período experimental. Onze anos depois, o PCP, Bloco de Esquerda e Verdes vão pedir a fiscalização ao Tribunal Constitucional da Lei Laboral promulgada esta segunda-feira pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sustentando que a decisão do TC relativa a 2008 se deverá voltar a aplicar.

No seu comunicado sobre a promulgação desta medida, o Presidente da República considera que o acórdão de 2008 do Constitucional não se aplica neste caso. “(…) não se afigurando que a fundamentação do Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 638/2008, de 23 de dezembro, respeitante ao alargamento do período experimental para os trabalhadores indiferenciados, valha, nos mesmos exatos termos, para as duas situações ora mencionadas, o Presidente da República decidiu promulgar o diploma que altera o Código de Trabalho”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa referindo-se às situações de primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

Mas o que é que diz o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

“O eventual incremento marginal de eficácia que decorreria do alargamento do período experimental não tem, por si só, virtualidade para justificar que esse alargamento se faça de 90 para 180 dias para os trabalhadores não especializados, equiparando-os para esse efeito aos trabalhadores especializados”, afirmou o TC no acórdão publicado em Diário da República.

“Há que concluir que o legislador não protegeu como devia, face ao disposto nos artigos 53.º e 18.º, n.º 2, da Constituição, os trabalhadores indiferenciados de situações injustificadas de precariedade de emprego”, acrescentou a justiça.

O Artigo 53 da Constituição, que consagra o direito à segurança no emprego, estipula que “é garantida aos trabalhadores a segurança no emprego, sendo proibidos os despedimentos sem justa causa ou por motivos políticos ou ideológicos”.

“Não sendo patente a insuficiência dos prazos em vigor, e não se encontrando nos antecedentes atrás citados qualquer justificação para a alteração que o decreto visa alcançar, tudo indica que a medida que se contém na norma questionada – no que se refere aos trabalhadores indiferenciados – se não compatibiliza com o teste da necessidade ou da exigibilidade, a que estão subordinadas todas as normas infraconstitucionais que restrinjam direitos fundamentais”, pode ler-se no acórdão.

O Presidente da República na altura, Aníbal Cavaco Silva, requereu ao Tribunal Constitucional que se pronuncia-se sobre a constitucionalidade do alargamento do período experimental de 90 para 190 dias.

“Esta norma é uma norma restritiva de direitos, liberdades e garantias, pois quanto mais dilatado for o período experimental maior a precariedade da relação jurídico-laboral e mais frágil a garantia na segurança do emprego”, afirmou o Presidente da República, Cavaco Silva, no pedido de fiscalização da lei enviado ao Tribunal Constitucional.

O Presidente considerou, assim, que o aumento da duração do período experimental para os trabalhadores de 90 para 180 dias suscitava dúvidas “quanto à sua idoneidade para atingir o fim atribuído ao período experimental (avaliação pelas partes do seu interesse na prossecução do vínculo laboral)”.

“Um trabalhador não carecerá do dobro do prazo em vigor estipulado para o período experimental para aferir sobre a conveniência das condições oferecidas pela empresa, tanto mais que pode rescindir o contrato a todo o tempo, sem necessidade de justa causa, desde que observe o aviso prévio exigido; por outro lado, no que respeita às profissões indiferenciadas, carentes de qualquer especialização relevante, não parece líquido que o empregador necessite, objectivamente, de meio ano para avaliar as qualidades profissionais dos seus trabalhadores tendo em vista a celebração de um contrato de trabalho por tempo indeterminado”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Legislação laboral: PCP e Bloco vão pedir a fiscalização ao Constitucional

A menos de dois meses das eleições legislativas, estalou o verniz entre os partidos da geringonça. Os parceiros parlamentares do PS querem que o Tribunal Constitucional fiscalize as alterações à lei do trabalho.
Recomendadas

Rui Tavares: “Senti a vergonha alheia dos outros. Há um erro de comportamento pós-eleitoral de Joacine”

Um dos fundadores do Livre considera que o comportamento de Joacine Katar Moreira mudou após ter sido eleita deputada.

Baixas para assistência aos filhos vão ser pagas a 100%

Em entrevista ao jornal “Público”, a ministra do Trabalho e da Segurança Social afirma que o Governo vai criar condições para os “jovens terem filhos mais cedo”. Todas as famílias com um segundo ou mais filhos até três anos de idade terão direito a um cheque para apoio da creche.

Carlos Zorrinho: “Uns ‘Estados Unidos da Europa’ era uma ideia mobilizadora; hoje defendo outro processo”

O eurodeputado eleito pelo PS considera que a União Europeia (UE) tem de “inspirar os povos”, com o seu modelo democrático e social, “baseado na cooperação e no respeito pelos cidadãos”, mas alerta que é “necessário haver menos egoísmos pessoais”. Em entrevista ao Jornal Económico, Carlos Zorrinho fala ainda de um novo modelo de cooperação entre os Estados-membros da UE e sobre o combate que deve ser feito ao populismo e nacionalismo. Sobre as primárias no PS para eleger um novo secretário-geral, espera “que se cheguem muitos à frente” e garante: “nunca vou deixar de ser político”.
Comentários