LG desenvolve tecnologia para minimizar vincos nos ecrãs dos telemóveis dobráveis

A LG Chem planeia iniciar a produção de uma nova tecnologia para ecrãs dobráveis no próximo ano. Os primeiros produtos devem começar a chegar em 2023.

Além dos preços elevados, um dos principais problemas que os smartphones dobráveis enfrentam são os vincos nos ecrãs, que aparecem logo quando se dobram pela primeira vez e vão ficando mais pronunciados com a utilização diária. Mas a LG pode ter uma solução.

Esta semana. a LG Chem, a empresa do universo LG especializada no desenvolvimento e fabrico de produtos químicos, materiais e de tecnologias usadas em ecrãs e baterias, entre outros, anunciou um novo material para utilização em ecrãs dobráveis, que promete ser melhor que as outras tecnologias disponíveis actualmente. Segundo a empresa, este material é resistente como vidro e flexível como o plástico. Ao mesmo tempo, é fino, resistente ao aparecimento de fendas e reduz “significativamente” os vincos, quando comparado com as tecnologias de ecrãs dobráveis actuais.

O material foi pensado para ser aplicado por cima de um ecrã OLED para o proteger, mas ao mesmo tempo é suficientemente translúcido para permitir a passagem de imagens de alta resolução.

Segundo a LG Chem: “Este material é mais competitivo em termos de preço quando comparado com as películas de poliamida usadas actualmente e, devido à sua flexibilidade e durabilidade, manteve-se completamente liso, mesmo depois de ter sido dobrado mais de 200000 vezes.” O material pode ser dobrado em qualquer direcção.

A LG Chem mostrou algumas fotografias de esta nova tecnologia de ecrã, que recebeu o nome “Real Folding Window”. Apesar das garantias, não estão disponíveis fotos deste novo material dobrado da mesma forma que num smartphone dobrável, por isso é preciso que os primeiros dispositivos cheguem ao mercado para ter a certeza de que não aparecem vincos.

A empresa planeia desenvolver as capacidades de produção em massa durante o próximo ano, e os primeiros produtos devem começar a chegar aos consumidores em 2023.

PCGuia
Recomendadas

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.

PremiumDetetar ‘fake news’ eleitorais já é oportunidade de negócio

Empresa portuguesa Visionware junta recursos informáticos e humanos para detetar ataques contra os candidatosque são seus clientes e repor a verdade. Algo que significa a “verdade do cliente”, tirando nos casos mais graves.

Reatia, a startup de Leiria que juntou algoritmos à venda de casas

“Somos uma startup de Leiria e, por isso, a nossa sede continua a ser, orgulhosamente, nesta cidade”. É desta forma que o empreendedor português Hugo Venâncio, que em 2019 fundou a tecnológica Reatia, começa por explicar ao Jornal Económico (JE) que as raízes da Beira Litoral não se perdem apesar das provas que esta empresa […]
Comentários