Líbano: Saad Hariri nomeado primeiro-ministro pela terceira vez

A principal missão do líder sunita é formar um governo o mais rapidamente possível para enfrentar a pior crise do país desde a guerra civil. Fica a aguardar-se a resposta internacional a esta decisão, que parece mudar pouco as perspetivas políticas do país.

O líder libanês (sunita) Saad Hariri obteve apoio parlamentar suficiente esta quinta-feira para ser novamente nomeado como primeiro ministro do país. Será a terceira vez que o líder do bloco político sunita assume o cargo, após consultas entre o Presidente da república, o cristão Michel Aoun, com os líderes dos principais partidos.

Hariri recupera o comando de um país atolado na mais séria crise económica e social desde os anos da guerra civil (1975-1990). O novo primeiro-ministro prometeu encontrar um executivo de “especialistas”, disse, para fazer o país sair da crise. Hariri tinha há poucas semanas manifestado a sua disponibilidade – mas num quadro político, depreendia-se das suas palavras, em que tivesse plenos poderes para levar a cabo o seu plano de reorganização da economia e de luta contra a corrupção.

Na altura, o novo (e antigo) primeiro-ministro apelou a uma larga convergência entre os diversos partidos e tendências que controlam o Líbano político – e aparentemente foi isso que conseguiu Michel Aoun.

Há apenas um ano, Hariri (que nasceu na Arábia Saudita há 50 anos) renunciou após várias semanas de protestos em todo o país pedindo uma mudança de governo para enfrentar a grave crise económica que já então se verificava no Líbano. A situação só piorou com a explosão de um depósito no porto de Beirute em agosto passado e com a pandemia.

“Vou formar um governo de especialistas não partidários e vou trabalhar para formar um governo rapidamente porque o tempo está a esgotar-se e esta é a última oportunidade,” declarou Hariri num breve discurso à nação. Fica por esclarecer se os manifestantes que há um ano deram mostras de ter esgotado a paciência para Hariri vão desta vez aceitar mais uma fase em que o voltarão a ter à frente dos destinos do país.

Mas esta não é a única incógnita: os países que têm prestado auxílio ao Líbano desde agosto já explicaram que só vão voltar a encaminhar novas ajudas (financeiras) para o Líbano se tiverem provas de que o governo local está de facto empenhado no combate à corrupção – que tem dado um verdadeiro sumiço aos fundos que são destinados ao país.

Aliás, um dos grande problemas que Hariri enfrentará é precisamente o de convencer o FMI e o Banco Mundial de que o país está a entrar no caminho da luta contra a corrupção – primeiro passo para conseguir um empréstimo externo urgente, com um ‘caderno de encargos’ que com certeza será pesado para a economia libanesa.

Hariri é o terceiro primeiro-ministro libanês depois de o seu sucessor há um ano, Hasan Diab, ter renunciado ao lugar na sequência da explosão em Beirute. O seu sucessor, Mustapha Adib fez o mesmo há um mês, após ter-se revelado incapaz de formar um governo devido à falta de acordo entre os diferentes partidos políticos, que partilham o poder com base em quotas confessionais ( existem 18 confissões religiosas no país ).

O falhanço de Adib, recorde-se, irritou especialmente o presidente francês, Emmanuel Macron, que havia prometido ajuda em troca de reformas políticas e descreveu o impasse como uma “traição coletiva” da classe dominante à população daquele ex-protetorado francês.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.

Portugal compromete-se a gerir de forma sustentável toda a área oceânica até 2025

Segundo o Painel do Oceano, o oceano, que cobre 70% do planeta, dá alimentos diariamente a mais de três mil milhões de pessoas. Nele, faz-se o transporte de pelo menos 90% das mercadorias e contribui todos os anos com 1,5 biliões de dólares para a economia global.
Comentários