Liberty lança canal de venda direta de seguros automóvel em Portugal (com áudio)

A Génesis by Liberty Seguros é a marca de seguro direto criada para o ramo automóvel, cerca de um ano depois de ter anunciado um investimento de 100 milhões de euros em tecnologia para operar o seu negócio na cloud pública.

dav

A Liberty lançou a Génesis by Liberty Seguros, que é a marca do seu primeiro canal de venda direta em Portugal de seguros do ramo automóvel.

A Génesis by Liberty vai competir com a Ok! Teleseguro (da Fidelidade), com a Seguro Directo (da Ageas), com a Logo (da Generali) e com a N Seguros (da Lusitânia).

Numa apresentação da nova marca de seguro directo, Alexandre Ramos, Chief Information Officer (CIO) da Liberty na Europa, explicou que no seguro direto da Génesis os clientes escolhem as coberturas que precisam e pagam só por essas. “O cliente escolhe aquilo que precisa e não mais”. Esta flexibilização aplica-se evidentemente às coberturas opcionais.

O seguro é de “fácil contratação e o preço é competitivo”, diz o responsável que lembra que a Génesis será dirigida aos clientes meramente digitais.

A Génesis terá também um canal telefónico, confirmaram os responsáveis da Liberty.

Alexandre Ramos explicou que o mercado automóvel português tem 6,5 milhões de veículos em circulação e as marcas de seguro direto representam apenas 6% do mercado. Este contexto explica o lançamento da Génesis.

Esta marca, apesar de ser uma operação da Liberty Mutual, integrada na Liberty Europa (Portugal, Espanha, Irlanda e Irlanda do Norte), é portuguesa. Mas “se funcionar no mercado português podemos exportá-la para outros países”, disse Jesus Nuñez, líder de vendas e distribuição da Liberty Seguros na Europa.

A marca está presenta na plataforma criada pela Liberty Mutual que implicou um investimento de cerca de 100 milhões de euros em tecnologia, “o maior da empresa nos últimos anos, para desenvolver um ecossistema digital na cloud pública – um conceito completamente disruptivo na indústria, no qual todos os processos relacionados com a comercialização e gestão de seguros são levados a cabo de forma simplificada”, refere a seguradora.

A plataforma que implicou um investimento de mais de 100 milhões é usada pela “seguradora directa” em Portugal, mas também pela operação na Irlanda e em parte por Espanha, explicaram. Não foi divulgado o valor do investimento da Génesis em Portugal.

“Na Liberty, a transformação digital já era um compromisso claro para o negócio da empresa antes do contexto da pandemia. Este ano, com a implementação do modelo de teletrabalho, a Liberty tornou-se uma seguradora 100% digital”, refere a companhia.

“Com esta marca, Génesis by Liberty Seguros, queremos aumentar a visibilidade e a força da marca Liberty tendo como principal objetivo tornarmo-nos na seguradora número um junto dos consumidores”, explica Jesus Nuñez, da Liberty Seguros na Europa.

Este responsável confessou que o objetivo é colocar a Liberty nos 10 primeiros lugares da Europa.

“O novo canal de venda direta é sobretudo dirigido a novos clientes que optam por soluções online. Com o canal de venda direta, a Liberty conseguirá chegar a todo o tipo de público, sem que nenhum dos canais de distribuição perca valor e importância”, explica ainda Jesus Nuñez.

A transição digital em curso em todos os sectores da empresa “advém de uma mudança nos hábitos dos consumidores que, nos seguros, procuram produtos cada vez mais personalizáveis, flexíveis e adaptados às suas necessidades reais”, diz a seguradora que acrescenta que “a empresa precisa apenas de ter a agilidade necessária para moldar o seu negócio à procura atual e ao ritmo a que esta é exigida e para inovar nas soluções oferecidas de modo a satisfazer as expectativas dos clientes”.

“Esta estratégia está totalmente alinhada com os nossos valores de colocar sempre as pessoas em primeiro lugar e permite-nos, não só ganhar mais confiança e notoriedade junto do público, como fazer crescer a marca através de uma maior carteira de clientes que, consequentemente, se traduzirá em melhores resultados globais para a empresa”, refere Nuñez.

O seguradora vai manter a rede de distribuição dos mediadores e parceiros noutros seguros.

“Estamos a investir na Europa e especificamente em Portugal”, garantiram os responsáveis.

Recomendadas

Santander escolhido como o “Banco do Ano” em Portugal pela revista do FT

Em reacção, o CEO do Santander Totta diz que “o Banco é hoje uma instituição mais forte, melhor estruturada, e tem os meios necessários para continuar a ser o parceiro de referência para as famílias e empresas portuguesas”.

Sindicatos recusam proposta final de revisão salarial dos Bancos e pedem intervenção da DGERT

Na última reunião, realizada no dia 30 de novembro, o grupo negociador dos bancos “apresentou a sua proposta final, não negociável, de 0,4%, da tabela salarial, de pensões de reforma e de sobrevivência e cláusulas de expressão pecuniária”. Uma proposta que os sindicatos dizem que “vai contra a pretensão inicial dos sindicatos (1,4% de aumento).

BES. Relação confirma condenação da KPMG a coima de 450 mil euros

O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou “na íntegra” a sentença do Tribunal da Concorrência que condenou a KPMG ao pagamento de 450 mil euros, reduzindo a coima de um milhão de euros a que havia sido condenada pela CMVM.
Comentários