Libra afunda com incerteza política no Reino Unido

A perda de lugares no Parlamento britânico dos Conservadores para os Trabalhistas e a hipótese de um hung parliament está a penalizar a moeda.

Jason Alden/Bloomberg

Theresa May trocou uma situação governativa confortável por outra mais instável, penalizando a moeda britânica. Depois de serem conhecidos os primeiros resultados das eleições no Reino Unido, a libra depreciou-se 2% e os futuros do FTSE 100 caíram 1% com as dúvidas sobre o futuro do governo.

“Temos um vencedor, mas não esperamos que os sinos de celebração toquem”, disse o analista Naeem Islam da ThinkMarkets, à agência Reuters. “Este não é resultado que os investidores estavam à procura. Apesar de Theresa May ter ganho as eleições, na realidade foi Jeremy Corbyn que fez progressos substanciais”.

Durante a noite, o valor da libra desceu cerca de 2% para 1,26 dólares, o mais baixo desde abril. A moeda britânica segue agora a perder 0,97% para próximo de 1,27 dólares, sendo que Naeem Islam acredita que o caminho está aberto para  que a libra atinja os 1,22 dólares nas próximas semanas.

O chefe de investimento da Albion Financial, Jason Ware, explicou que “a libra está a ser abalada, o que é provavelmente um sintoma de incerteza, mas se obtivermos um Brexit mais suave ou uma posição mais global do Reino Unido será bom para a Europa, para os recursos do Reino Unido e dos EUA”.

O índice FTSE 100 segue com um volume de transações baixo, na linha de água. A bolsa britânica não está a ser tão penalizada já que as empresas exportadores beneficiam da queda da libra. As yields das obrigações do Reino Unido a 10 anos também desceram cinco pontos base com os investidores a procurar refúgio nas bonds.

“Com os primeiros resultados a apontar para uma perda de lugares dos Conservadores e a as apostas eleitorais da primeira ministra a não compensarem, os mercados estão a posicionar-se num outlook político mais complexo, incluindo sobre o Brexit”, diz o conselheiro económico chefe da Allianz, Mohamed El-Erian.

Ler mais

Relacionadas

Theresa May ganha as eleições e uma enorme dor de cabeça

Primeira-ministra troca uma maioria absoluta por uma maioria relativa. Jeremy Corbyn, líder dos Trabalhistas, agradece. E Jean-Claude Juncker também. No limite, é a sua posição de líder do governo que está agora em jogo.

Libra dança ao som de sondagens divergentes

A descida de May nas intenções de voto está a deixar a moeda britânica volátil. A hipótese de um parlamento fragmentado é o cenário mais temido.
Recomendadas

Maus resultados eleitorais levam à demissão dos chefes de gabinete de Theresa May

Fiona Hill e Nick Timothy eram conselheiros de Theresa May desde que esta assumiu a pasta do Ministério do Interior, entre 2010 e 2016.

Corbyn falha ‘high five’ com colega de partido e anima redes sociais

A peripécia com o ‘pouco’ derrotado da noite de ontem, o líder do Partido Trabalhista, está a ser um dos sucessos do pós-votação.

Brexit: Europa está “unida, coesa e preparada” para as negociações com Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa recusou-se a comentar os resultados eleitorais do Reino Unido e o ministro dos Negócios Estrangeiros português assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé”.
Comentários