Líder cessante da Iniciativa Liberal avisa que jogo ainda está 0-0 e pede consolidação

O presidente cessante da Iniciativa Liberal, Carlos Guimarães Pinto, avisou hoje que o jogo ainda está “0-0” para os liberais apesar da vitória ao eleger um deputado, pedindo a consolidação como um “movimento de contracultura, moderado e não populista”.

carlos_pinto_guimarães_iniciativa_liberal_legislativas
Miguel A. Lopes/Lusa

A intervenção de Carlos Guimarães Pinto na III Convenção Nacional da Iniciativa Liberal, que decorre hoje em Pombal, distrito de Leiria, foi feita através de um vídeo gravado uma vez que o presidente que hoje cessa funções está no Vietname.

Carlos Guimarães Pinto, que no final de outubro anunciou que iria abandonar a liderança do partido, usou uma imagem do tempo em que era árbitro de futebol e muitas vezes acontecia que numa equipa, quando marcava um golo muito cedo, os jogadores, depois de festejarem, repetiam uns para os outros “ainda está 0-0” para “passar aquela mensagem de que aquele golo tão cedo não mudava nada no seu plano de jogo”.

“Nós também conseguimos marcar um golo mais cedo do que o esperado, mas nada disso deve mudar o nosso espírito, a nossa forma de fazer as escolhas. (…) Por isso vos digo, está 0-0. Continuamos a ser um partido de ataque, um partido que quer renovar a política, quer trazer ideias novas, quer trazer pessoas novas, sem ter medo, apenas agora temos mais meios para o fazer do que tínhamos antes”, comparou, referindo-se à eleição de um deputado para o parlamento nas últimas eleições.

Para o presidente em fim de funções – que será substituído na convenção eletiva de hoje pelo deputado João Cotrim Figueiredo, o único a apresentar candidatura – foi um “prazer ter liderado o partido neste ‘sprint’ inicial”, mas avisou que “continua a ser uma grande maratona” já que o partido precisa de continuar a crescer.

“Precisamos acima de tudo de nos consolidar como movimento de contracultura, um movimento moderado, não populista, um movimento que num país socialista é um movimento de contra cultura”, defendeu.

Na perspetiva do liberal, “para defender o autoritarismo, o identitarismo, as falsas boas intenções, qualquer idiota populista serve”.

“Mas para defender a liberdade, o progresso e os caminhos muitas vezes pouco intuitivos para lá chegarmos precisamos de gente capaz, inteligente. O primeiro quilómetro desta maratona acabou e é com muita felicidade que digo que estamos no pelotão da frente. Agora o objetivo é ganhá-la”, enfatizou.

À futura comissão executiva, que será liderada por João Cotrim Figueiredo, só quis “desejar muito boa sorte” uma vez que sabe que “tudo o resto que precisam já têm”.

“Não há nenhuma direção de nenhum partido nacional que conte com uma equipa tão boa como esta e a liberdade precisa de pessoas assim”, elogiou.

Logo no início do vídeo, durante o qual foram aparecendo várias fotografias da atividade de Carlos Guimarães Pinto e do partido nos últimos tempos, o liberal fez questão de destacar os “números da participação da Convenção deste ano”.

“Que grande diferença face à convenção do ano passado, não só pelo número de participantes, mas também pelo número de candidatos às vagas deixadas no Conselho Nacional, assim como o número de moções apresentadas. É fantástico perceber este crescente interesse e a vontade de participar de todos”, afirmou.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo Rebelo de Sousa inicia hoje reuniões para analisar renovação do Estado de Emergência

O Presidente da República vai reunir-se por videoconferência com os membros do Governo, líderes partidários e especialistas mas também com os conselheiros de Estado que pela primeira vez nestas reuniões para avaliar o estado do país face ao Covid-19.

BE e PCP querem isentar alunos do Ensino Superior do pagamento de propinas durante crise da Covid-19

Os bloquistas e comunistas, que sempre defenderam o fim das propinas, consideram que, como as instituições do Ensino Superior estão encerradas e muitas não estão a disponibilizar e-learning, não se justifica estar a cobrar propinas aos estudantes.

Medidas extraordinárias do PT 2020 vão permitir manter 776 milhões de euros na economia

“O impacto, naquilo que se refere às empresas é de 475 milhões de euros […], a que se juntam 301 milhões de euros para outros beneficiários, somando um total de 776 milhões de euros, que vão continuar na economia”, avançou o secretário de Estado do Planeamento, em declarações à agência Lusa.
Comentários