Líder da Generalitat pede reunião com Pedro Sánchez para solução política na Catalunha

Ainda não houve qualquer diálogo entre Quim Torra e o primeiro-ministro em funções sobre a Catalunha desde o início dos protestos.

Presidente do governo da Região Autónoma da Catalunha, Quim Torra

Ao quinto dia de protestos, o líder do governo regional da Catalunha, Quim Torra, solicitou ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, que agende uma reunião para dar início a “conversações e negociações imediatas” para uma solução política na região.

De acordo com a agência Efe, ainda não houve qualquer diálogo entre Torra e Sánchez sobre a Catalunha desde o início dos protestos.

Quim Torra, que hoje de manhã se deslocou ao gabinete que monitoriza os distúrbios na Catalunha, pediu também que os protestos sejam pacíficos, afirmando: “A violência não é nossa bandeira”.

“Nenhuma forma de violência nos representa”, afirmou, destacando que o movimento pela independência foi “transversal, massivo, ético e pacífico”.

O chefe do governo regional catalão lembrou que “há muito tempo” foi solicitada uma reunião para encontrar uma solução política para o conflito, encontro que disse ser “agora mais urgente do que nunca”, e assegurou que a “causa de liberdades e direitos” dos independentistas é “imparável”, porque o “povo catalão vai tão longe quanto quiser”.

Pouco depois deste pedido público, o governo espanhol respondeu ao presidente da Generalitat, Quim Torra, acerca da fixação da data para uma reunião com o chefe do executivo, Pedro Sánchez. De acordo com a agência de notícias espanhola, Torra “deve condenar veementemente a violência, o que ainda não fez”.

Esta manhã, no Twitter, políticos independentes mostravam o seu apoio à declaração institucional lida sábado pelo presidente da Generalitat, Quim Torra, e pelo vice-presidente Pere Aragonès, no qual o governo é solicitado a dialogar e se rejeitam ações de violência.

“Diálogo, negociação e solução política são a maneira de resolver o conflito”, afirmam na mensagem, adiantando que “nenhuma violência” os representa e concluindo com esta mensagem de apoio: “Ao lado do nosso governo”.

Esta manhã, após o quinto dia de violentos protestos registados especialmente em Barcelona, o presidente catalão apareceu junto com o vice-presidente Pere Aragonès e os prefeitos de Girona, Tarragona e Lleida, para ler uma declaração institucional.

Pere Aragonès censurou Pedro Sanchez por, enquanto lhe pediam uma reunião, “apenas enviar o ministro do Interior”, Fernando Grande-Marlaska, que no sábado se mudou para a Catalunha para visitar os agentes internados nos hospitais e se encontrar com o ministro do interior da Generalitat, Miquel Buch.

Ler mais
Relacionadas

Catalunha: Extrema-direita espanhola pede que política atue “de uma vez por todas” na região

O secretário-geral do partido Vox (extrema direita) pediu hoje ao governo espanhol que autorize “de uma vez por todas” a polícia a atuar “como sabe” na Catalunha e, em consequência, use “todo o material antidistúrbios”.

Catalunha: Detido fotojornalista do El País durante confrontos em Barcelona

A Polícia Nacional espanhola deteve um fotógrafo do jornal El País durante os confrontos que estão a ocorrer na noite de sexta-feira no centro de Barcelona entre grupos separatistas violentos e as forças de segurança, noticiou a agência Efe. O fotógrafo Albert García foi detido e algemado por polícias, anunciaram nas redes sociais o El […]

Catalunha: Pelo menos 22 detidos e 89 feridos nos confrontos

Pelo menos 22 pessoas foram detidas e 89 sofreram ferimentos nos confrontos entre grupos separatistas violentos e as forças de segurança que se registaram na sexta-feira em diferentes cidades da Catalunha.
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.

E se o Ártico ficasse sem gelo? Pode acontecer em 2044

Tendo como base diversos fenómenos e os acontecimentos atuais, algumas previsões apontam que o mês de setembro em 2026 já não vai conseguir ter gelo, enquanto outras previsões apontam que o degelo total só deverá acontecer em 2132, a muitos anos de distância.
Comentários