Líder do CDS acusa Governo de”agir tarde” e de faltar com apoios a idosos

“O Governo esqueceu-se de cuidar de quem cuidou de nós, esqueceu-se dos seniores, dos mais velhos”, declarou o governante, centrista, falando em Ponta Delgada, nos Açores, na reabertura do ano político do CDS-PP.

António Pedro Santos/Lusa

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, voltou hoje a abordar as mortes de idosos portugueses com covid-19, dizendo que o Governo “está a agir tarde” na resposta nos lares e a apoiar equipamentos e pessoas “com pouco”.

“O Governo esqueceu-se de cuidar de quem cuidou de nós, esqueceu-se dos seniores, dos mais velhos”, declarou o governante, centrista, falando em Ponta Delgada, nos Açores, na reabertura do ano político do CDS-PP.

Para Rodrigues dos Santos, o Governo “está a agir tarde e a apoiar com pouco” e tem mostrado uma “negligência grosseira”.

“Passámos seis meses e o Governo nada alterou na abordagem aos lares”, prosseguiu o dirigente do CDS-PP, lembrando ainda que 40% das mortes por covid-19 em Portugal ocorreram em idosos institucionalizados em lares.

O CDS, prosseguiu ainda o seu presidente, defende o avançar de um “processo nacional de regularização dos lares clandestinos e ilegais”.

“Pasme-se, há mais lares ilegais em Portugal que lares legais, há 3.500 [lares] que albergam 35 mil idosos”, vincou.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.875 pessoas dos 65.021 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Livre anuncia apoio à candidatura presidencial de Ana Gomes

Apoio à antiga eurodeputada socialista foi garantido por quase 90% dos membros e apoiantes do partido que participaram na consulta. Grupo de contacto do Livre diz que Ana Gomes “tem mostrado que será uma Presidente livre, dialogante e firme”, contrapondo o mandato “complacente, passivo e conservador” de Marcelo Rebelo de Sousa.

PEV também qualifica Plano de Recuperação e Resiliência de “oportunidade perdida”

“Verdes” saíram “preocupados” da reunião com o primeiro-ministro, coincidindo com a Iniciativa Liberal nas dúvidas quanto à forma como as propostas do documento podem criar “condições reprodutivas que possam permitir o desenvolvimento do país e do bem-estar das populações”.

Regresso às aulas: Bloco de Esquerda que ouvir ministro da Educação no Parlamento

“O primeiro-ministro veio agora correr atrás do prejuízo” e anunciou que agora “serão contratados mais 1.500 funcionários”, uma medida que segundo o Bloco de Esquerda deveria ter sido anunciada mais cedo.
Comentários