Liderar pelo exemplo

A obrigação de quem lidera em tempos de crise é dar o exemplo, nos países como nas empresas. Ocorre o exemplo da Suécia, cuja sociedade entende que os sistemas que concedem privilégios e regalias aos políticos são perigosos.

1. Nunca percebi porque o Governo português, como aconteceu em vários países do mundo, do Canadá à Nova Zelândia, não fez refletir nos salários de ministros, secretários de Estado, gestores públicos, pelos menos estes, o andamento da crise devida à pandemia.

Parecer-me-ia uma medida de elementar bom senso; tal e qual deveria ter acontecido durante o tempo da intervenção da troika, quando o governo tinha outra cor. Nessas coisas de governos, ao contrário do que manda a lógica das seitas, cultivo ser daltónico.

Nos rendimentos, nos automóveis de função, nos cartões, a obrigação de quem lidera em tempos de crise é dar o exemplo, nos países como nas empresas. Essa seria, aliás, uma boa maneira de demonstrar, com factos, que o esforço deve ser de todos.

2. Gosto muito de apontar o caso da Suécia. O país não oferece luxo ou privilégios aos seus políticos. Os deputados vão de transportes públicos para o trabalho, vivem em apartamentos muito pequenos com lavandarias comunitárias. Nenhum deputado tem direito a pensão vitalícia, plano de saúde privado nem imunidade parlamentar.

A sociedade sueca, de uma forma geral, entende que os sistemas que concedem privilégios e regalias aos políticos são perigosos, uma vez que poderiam transformar esses homens e mulheres numa espécie de classe superior, que não saberia como vivem os cidadãos comuns e os afastaria dos problemas reais da comunidade. Grande princípio.

3. Esta semana chega-nos um outro bom exemplo, que ainda os há felizmente. No Vaticano, fustigado pela crise, o Papa Francisco decidiu que se cortem os salários mais elevados, ou seja, dos cardeais, de outros altos cargos da cúria, e em geral do pessoal religioso. O objetivo é simples: proteger os empregos da grande maioria das pessoas, pessoal laico, com salários de nível médio e baixo.

Segundo determinou o Papa, na quarta-feira, cardeais (cujos salários não são sequer do domínio público), bispos e outros elementos do topo perdem 10%. No escalão médio-alto o corte chega aos 8%. Sacerdotes e demais pessoal religioso, de ambos os sexos, contribui com 3%. Assim se equilibra o barco.

Desta forma, os restantes 6.000 empregados, laicos, da capital da religião católica podem continuar a receber os seus ordenados, mesmo que nos escalões mais baixos se tenham suspendido também as progressões automáticas. A economia tem regras gerais e neste caso os números são públicos: em 2019 as receitas foram de 307 milhões e agora, dois anos depois, vão cair para 213 milhões de euros (menos 30%).

4. Em Portugal sabemos o que manda a tradição. A crise é paga pela população e raramente atinge as empresas do regime e muito menos os elementos da governação ou do topo da administração pública. Na boa tradição do defender atacando, os partidos, auxiliados pelo pessoal que vive em volta e por vários idiotas úteis, alguns muito mediáticos, decretou há já alguns anos que qualquer movimento neste sentido seria, era, é, populismo.

Simplificando: tudo o que tenha a ver com subtrair mordomias aos titulares de cargos públicos é populismo – e, provavelmente, será ‘de direita’; por outro lado, adicionar sinecuras ao mesmo pessoal é, além de justo, sempre sinónimo de dignificar funções, e deve ser ‘de esquerda’. Não interessa que os políticos e gestores estejam cada vez mais longe do ganho médio de um português trabalhador normal, que não pobre (1.170 euros/mês, dados de 2018 da Pordata).

Se, descontando a condição económica e social, as pessoas podem desabafar nas redes sociais, cruzar-se na rua e falar livremente, até umas com as outras – bendita fraternidade! – a igualdade existe, a Democracia funciona. Está provado.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários