PremiumLíderes das maiores sociedades de advogados revelam previsões para reforma

Líderes das principais sociedades de advogados antecipam um aumento da atividade em áreas como reestruturações, insolvências, contencioso e M&A, entre outras, apesar da queda das receitas. E admitem fusões entre firmas.

As principais sociedades de advogados portuguesas mostram-se cautelosas face à evolução da economia nos próximos meses. A possibilidade de uma segunda vaga da pandemia e o fim das moratórias de crédito e do regime de lay-off constituem as principais incógnitas que vão ditar o ritmo da recuperação, segundo os líderes do setor ouvidos pelo Jornal Económico (ver Fórum nestas páginas). Mas uma coisa é certa: apesar de algum impacto nas receitas, a atual conjuntura deverá levar a um aumento do trabalho em áreas como as reestruturações de empresas, insolvências, fusões e aquisições (M&A), fiscal, contencioso e laboral, entre outras. Além de abrir a porta a movimentos de consolidação dentro do próprio setor da advocacia de negócios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PLMJ assessorou Wizink numa operação de 510 milhões de euros

“A operação de emissão de obrigações de titularização denominada “Victoria Finance no. 1”, colateralizada pelas receitas da titularização do portfolio de cartões de crédito, inédita em Portugal, foi aprovada pelo regulador do mercado de capitais, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários e foi fundamental para a consolidação da estratégia da WiZink para o mercado português”, disse a PLMJ, em comunicado.

Reestruturação da TAP: Boston Consulting Group escolhida para elaboração do plano

“A Boston Consulting Group (BCG), consultora selecionada para a elaboração do referido plano [de reestruturação] e para apoiar a TAP até à sua aprovação nas instâncias comunitárias, irá iniciar os seus trabalhos na próxima segunda-feira, dia 17 de agosto”, lê-se na mensagem de Miguel Frasquilho.

Ageas Portugal adquire o edifício Expo Tower no Parque das Nações

A assessoria da Ageas ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.
Comentários