Liga dos Campeões. ‘Águias’ e ‘dragões’ entre os que mais contrariam domínio das ‘big five’

Nas últimas cinco edições da ‘Champions’, só quatro clubes fora das cinco principais Ligas europeias atingiram os quartos e meias-finais da Liga dos Campeões. E é em português que se vai contrariando os domínio dos ‘tubarões’ do ‘Velho Continente’.

Valentyn Ogirenko/Reuters

Mesmo ausente da edição 2019/20 da Liga dos Campeões, fruto da eliminação frente aos russos do Krasnodar, o FC Porto é o clube em maior destaque no relatório Football Benchmark, da KPMG, que perspetiva aquilo que poderá ser a mais recente edição da competição de clubes mais importante do mundo.

O relatório da KPMG aborda o domínio das ‘big five’ (as cinco principais ligas europeias (Premier League, La Liga, Serie A, Bundesliga e Ligue 1) na Liga dos Campeões e nota que nas últimas cinco épocas da Liga dos milhões, apenas por quatro ocasiões qualificaram-se para os quartos-de-final equipas fora das ‘big five’ (FC Porto por duas vezes e SL Benfica por uma ocasião). No mesmo período (cinco edições da ‘Champions’), o Ajax foi o único clube fora dos cinco principais Ligas a chegar às meias finais. De resto, há cinco anos que nenhuma equipa fora das ‘big five’ atinge a final da Liga dos Campeões.

Nestas estatísticas, a KPMG nota que o último ‘conto de fadas’ da Liga dos Campeões foi falado em português quando em 2004, o FC Porto liderado por José Mourinho arrebatou o título máximo europeu de clubes, ao derrotar o AS Monaco por 3-0 em Gelsenkirchen.

FC Porto: no melhor… e no pior

O relatório Football Benchmark da KPMG olha para os participantes desta edição da Liga dos Campeões e só “rostos familiares”, com a Atalanta de Itália a ser a única exceção entre os candidatos aos milhões da UEFA.

Entre os clubes que poderiam estar nesta fase de grupos, a KPMG realça uma “ausência surpreendente”: pela primeira, após oito épocas de participações consecutivas, o FC Porto não vai marcar presença. Um facto surpreendente para a KPMG.

Alemães na estreia do SL Benfica

O RB Leipzig estreia esta terça-feira, no Estádio da Luz, o SL Benfica europeu de Bruno Lage, na partida que marca o arranque da fase de grupos da Liga dos Campeões. Com os ‘encarnados’ sozinhos na ‘casa dos milhões’, em virtude de ser o único português em prova, cabe à equipa liderada por Bruno Lage defender a bandeira portuguesa, numa prova onde o acesso é cada vez mais restritos e os prémios são cada vez mais avultados.

A KPMG fez as contas e concluiu que o clube que vencer todos os jogos da Liga dos Milhões leva para casa um valor total de 82,45 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

Liga dos Campeões: SL Benfica está “sozinho na casa” dos milhões

‘Águias’ iniciam esta terça-feira a fase de grupos na Liga dos Campeões como único representante português na mais importante e milionária prova de clubes do mundo. Objetivo é ultrapassar quantia que o FC Porto arrecadou na época passada.

‘Jogo Económico’: Da SuperLiga à Liga dos Campeões. Quais são os desafios para quem rege o futebol europeu?

Seriam necessárias quatro épocas de Liga Europa para igualar o valor que a UEFA vai destinar esta época à Liga dos Campeões: 2 mil milhões de euros. Qual o impacto destas verbas na competitividade (ou falta dela) nas Ligas nacionais? Saiba as respostas nesta edição do Jogo Económico.
Recomendadas

Sporting rescinde protocolos com claques Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI

Decisão foi tomada “em virtude da escalada de violência que ontem [sábado] culminou com tentativas de agressões físicas a dirigentes e outros adeptos”, durante a vitória no futsal frente ao Leões de Porto Salvo (6-1), no Pavilhão João Rocha, explica a direção do clube.

PremiumTecnologia. Como as criptomoedas estão a chegar ao futebol

As transações em moedas digitais já são uma realidade no mundo desportivo. Os portugueses Nuno Correia, César Carvalho e Hélder Silva lideram projetos inovadores e acreditam que as criptomoedas serão o “dinheiro de amanhã” no futebol.

AC Milan cada vez mais longe da antiga glória. Finanças do clube estão cada vez piores

O insucesso desportivo tem sido apontado como a principal e, natural, razão para a crise financeira que se instalou no clube. Os investimentos feitos nas últimas cinco épocas, tinham como principal objetivo resgatar o clube e trazer de volta a San Siro os dias de glória. O resultado não foi o esperado.
Comentários