Liga Portugal adverte que paragem desportiva poderá significar “colapso económico” das SAD

Sónia Carneiro, diretora executiva da Liga Portugal, realça o valor estimado para o prejuízo dos clubes até ao final da época “ronda os 266 milhões de euros”, decorrentes do facto de não haver público nos estádios e da diminuição do investimento de alguns patrocinadores.

Reuters / Matthew Childs

Sónia Carneiro, diretora executiva da Liga Portugal – organismo que gere os principais escalões do futebol português, afirmou em entrevista à “Rádio Observador” que uma nova paragem desportiva significaria o “colapsar económico de todas as sociedades desportivas”, considerando por isso que essa hipótese não é “cogitável”. A responsável do organismo mantém a convicção na continuidade da competição, mesmo que Portugal atravesse nesta altura o pior momento desde o inicio da pandemia de Covid-19.

Segundo Sónia Carneiro, o valor estimado para o prejuízo dos clubes até ao final da época “ronda os 266 milhões de euros”, decorrentes do facto de não haver publico nos estádios e da diminuição do investimento de alguns patrocinadores. Ainda assim, a responsável admite que os estragos podiam ser maiores caso “deixássemos de ter direitos televisivos”. Sónia Carneiro sublinha ainda que, nesse cenário, “seguramente, muitas das sociedades desportivas teriam uma situação económica absolutamente insolvente”.

Apesar de toda a polémica que envolve atualmente o futebol, a diretora executiva da Liga Portugal afirma que “o futebol português continua a cumprir todos os protocolos e recebeu um voto de confiança” por parte do Governo para prosseguir a atividade.

Recomendadas

SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

“Não há espaço para questões emocionais” na negociação dos direitos televisivos, avisa especialista em marketing desportivo

Daniel Sá defende que em Portugal deve existir um conjunto de critérios objetivos para uma distribuição justa dos valores envolvidos na negociação. “Podemos ir beber várias das experiências que já existem e encontrar o modelo certo para nós”, refere.

Fórmula 1 fecha 2020 com perdas de 444 milhões e queda de 43% nas receitas

As receitas da Fórmula 1 caíram 43% no ano fiscal encerrado a 31 de dezembro de 2020, em comparação com o de 2019. Há um ano, a empresa recebeu dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).
Comentários