Lime comprou Jump à Uber. Bicicletas foram retiradas das ruas de Lisboa e não há previsão para regresso

Compra da Jump pela Lime à Uber estava prevista num acordo divulgado em maio. Acordo levou a uma ronda de levantamento de capital de 170milhões de dólares na Lime. Além da compra da Jump, a Lime planeia “expandir ainda mais a integração da sua aplicação móvel com a Uber”.

Uber

A Lime concluiu a compra da frota de bicicletas e trotinetes Jump na Europa à Uber na terça-feira, depois de uma injeção de capital no valor de 170 milhões de dólares (151 milhões de euros) na Lime. As três empresas estão presentes em Portugal e no decorrer do negócio, as bicicletas e trotinetes da Jump foram retiradas das ruas das cidades europeias pela Uber, cabendo agora à Lime decidir o que fazer com os novos ativos. Não há “planos para um regresso a Lisboa das bicicletas e trotinetes eléctricas da Jump”, segundo a Uber.

A compra da Jump pela Lime estava previsto num acordo divulgado no dia 7 de maio e que levou a uma ronda de levantamento de capital de 170 mil milhões de dólares na empresa de micromobilidade Lime. O investimento na Lime foi liderado pela Uber e contou com outras empresas como a Alphabet e Bain Capital Venture, de acordo com um comunicado da Lime enviado à redação.

A Lime passa a controlar as operações da Jump no mercado europeu. A Jump foi adquirida pela Uber em 2018 e iniciou atividade em Portugal em fevereiro de 2019, somente com bicicletas elétricas. Passado um ano, em fevereiro de 2020, a Uber reforçou frota de veículos da Jump com trotinetes elétricas.

Mas o negócio entre Lime e Uber não fica por aqui. No referido comunicado, a Lime revelou que o negócio com a Uber dá espaço para alargar a oferta disponível. Isto é, a empresa de micromobilidade norte-americana planeia “expandir ainda mais a integração da sua aplicação móvel com a Uber”.

No decorrer do processo de aquisição da Jump pela Lime, as bicicletas e trotinetes elétricas da marca até agora detida pela Uber foram recolhidas das ruas de cidades como Lisboa, Roma, Paris e Londres, uma vez que esses veículos pertencem agora à Lime. Caberá, agora, à Lime revelar planos futuros para a operação da Jump.

“Transferimos a maioria das e-bikes e e-scooters de Jump para os armazéns de modo a garantir a entrega uniforme das operações à Lime”, explicou fonte oficial da Uber em Portugal, numa nota enviada ao JE. Segundo a mesma fonte, “todos os veículos Jump” já estão na posse da Lime.

No caso de Lisboa, ainda não são conhecidos os planos de quando vão voltar às ciclovias da capital as bicicletas e as trotinetes da Jump. “Embora não existam, neste momento, planos para um regresso a Lisboa das bicicletas e trotinetes eléctricas da JUMP, é nosso entendimento que a Lime partilhará mais detalhes quanto aos seus planos para bicicletas e trotinetes eletrónicas na cidade em breve”, lê-se num e-mail que a Uber enviou a os utilizadores da sua aplicação móvel.

A Uber deu nota aos seus utilizadores da passagem da Jump para a Lime, por e-mail. A todos os utilizadores que queira, agora, criar conta na Lime para continuar a usufruir das bicicletas e trotinetes Jump, em Portugal, a Uber oferece-se no mesmo e-mail a enviar a “informação de perfil” para a Lime, caso exista essa solicitação pelos utilizadores para efeitos de criação de conta na empresa concorrente.

A Lime começou a operar em Portugal em outubro de 2018. Em maio já tinha adquirido a operação norte-americana da Jump à Uber.

[Notícia atualizada pelas 15h30, com nota de fonte oficial da Uber Portugal, enviada ao Jornal Económico depois da publicação deste artigo]

Ler mais
Recomendadas

Venda de automóveis em Portugal cai 38,4% até setembro

A Associação Europeia dos Construtores de Automóveis prevê uma queda do mercado entre os 20% e 25%, a nível europeu, sendo que as perdas do mercado português continuam a estar acima da média europeia.

Como vai ser o novo lay off? Conheça todas as medidas

O ministro da Economia Pedro Siza Vieira apresentou a proposta de flexibilização deste instrumento que, em agosto, substituiu o ‘lay off’ simplificado. As empresas com quebras de faturação homólogas entre 25% e 40% vão poder recorrer ao apoio à retoma progressiva.

Exclusivo JE: Fecho do negócio de saída de David Neeleman da TAP concluído hoje

Três meses depois de ter sido anunciada a sua saída, esta quinta-feira estão a ser assinados os contratos que formalizam a saída do empresário norte-americano da companhia aérea portuguesa.
Comentários