Linha de cosmética sustentável vence concurso de empreendedorismo da Fundação da Juventude

Alunas da Escola Profissional de Oliveira do Hospital querem usar desperdício de azeite, cera de abelha e soro de leite para fabricar produtos de cosmética amigos do ambiente.

Três alunas da Escola Profissional de Oliveira do Hospital venceram o Concurso Nacional de Jovens Empreendedores da 3.ª Mostra Nacional de Jovens Empreendedores, organizada pela Fundação da Juventude, na categoria Ensino Secundário. Ana Margarida Manaia de Jesus, Joana Filipa Gonçalves Venâncio e Mariana Isabel Ribeiro Nunes foram orientadas por Honorata Pereira, que conquistou o Prémio Especial Professor.

O projeto Dream Skin, nascido em Oliveira do Hospital, visa criar uma linha de produtos de cosmética sustentável, “eco-friendly”, tendo por base o desperdício de azeite, a cera de abelha e o soro de leite, através do reaproveitamento de resíduos orgânicos de valor biológico, minimização do desperdício de água e de energia e reaproveitamento de embalagens.

O Concurso Nacional de Jovens Empreendedores contou este ano com 129 participantes, orientados por 19 professores de cerca de 37 instituições de ensino. Durante dois dias, os estudantes apresentaram os  projetos, que foram avaliados por um júri presidido por Emídio Gomes, presidente da Portus Park e vice-reitor da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro.

“SandSpace” arrebatou o segundo lugar do concurso. Tem como autores Nuno de Figueiredo Brito e Castro, Bruno Dylan Pinto Ferreira, Jorge Miguel Fernandes Correia e Diogo Alexandre Silva Resende do Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira, que foram orientados pela professora Fátima Pais.

O projeto consiste numa aplicação com sistema de georreferenciação, que inclui 680 praias oceânicas e fluviais de Portugal continental, Madeira e Açores, com um sistema de semáforos que indica ao utilizador da APP a situação de cada praia num espaço de 2 horas.

No âmbito do projeto foi já realizada uma parceira com a Agência Portuguesa do Ambiente, que por sua vez está a fazer a aplicação oficial (Info Praia), com o objetivo de trocar informação entre as duas aplicações.

O terceiro prémio do concurso foi atribuído ao projeto “100 Limites”, da autoria de Cláudio Miguel Dias Guimarães, João Paulo Mendes Pereira, Rafaela Ramalho Teixeira e Sofia Moreira Saraiva,  da Escola de Comércio do Porto, que contaram com o apoio das suas professoras Marília Sequeira e Carla Ribeiro.

O objetivo de “100 Limites” é a criação de um calçado tecnológico, inteligente, de alta qualidade, confortável e atrativo que facilite o quotidiano dos cidadãos com problemas de visão. O calçado inclui sensores ultrassónicos de proximidade conectados a um auricular, tecnologia GPS que indicará o caminho a seguir e informações sobre um determinado local e realidade aumentada (3D) obtidas por uma microcâmara. O calçado será carregado através do PC, via USB ou carregador de telemóvel.

O Concurso Nacional de Jovens Empreendedores da 3.ª Mostra Nacional de Jovens Empreendedores tem uma segunda categoria – Ensino Superior. Aí o vencedor foi o projeto “Urticarea” da autoria de Rafael Paraíso Bento, aluno de Universidade da Beira Interior. O segundo lugar foi para “Cozinha do Zero”, de Ana Sofia Rosado Inácio, Inês Vieira Silva Neves, da Universidade Lusófona do Porto. O terceiro premiou Patrícia Sofia Pereira Teixeira, Cláudia Sofia Machado Duarte, Marisa Rolão e Silva, Maria de Lurdes da Cunha Mariani, também alunas da Lusófona do Porto, autoras do projeto Singular.

Ler mais
Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

Professores “não são profissão de risco acrescido”, sublinha Graça Freitas

“Independentemente de serem trabalhadores em escolas, são pessoas com determinado grupo etário e determinados fatores de risco”, sustentou Graça Freitas.

“Interrupção do ensino presencial teve um custo”. Primeiro-ministro defende manutenção das escolas abertas

“Até aos 12 anos o risco é diminuto de acordo com as opiniões do Conselho Científico. Sabemos que o número de casos foi diminuto no primeiro período e que nenhum foco teve início numa escola”, defendeu o governante.
Comentários