Lionesa acolhe o novo centro de inovação da multinacional Oracle

A Lionesa tem cerca de 110 empresas nacionais e internacionais e, só nos últimos dois anos foram criados mais de 500 postos de trabalho.

A Lionesa acolhe mais uma multinacional no setor da tecnologia e informática – a Oracle, cuja inauguração oficial se realizará amanhã, e cuja presença no centro empresarial tinha sido antecipada pelo JE em janeiro. A empresa está a reforçar a sua presença em Portugal e escolheu Matosinhos e a Lionesa para a instalação de um centro global de inovação e tecnologia.

A Lionesa é actualmente, a nível nacional e segundo os seus próprios indicadores, o maior centro empresarial na indústria 4.0 e o maior e mais dinâmico pólo a norte na atração de novos negócios, essencialmente, multinacionais na área de IT, Inovação e Shared Services nas áreas Financeira, Recursos Humanos e Supply Chain.

A Oracle junta-se assim a outras multinacionais que muito recentemente se instalaram na Lionesa como é o caso da dinamarquesa Vestas (turbinas de energia eólica), a alemã Klöckner Pentaplast (filmes para embalagens) e a chinesa Cofco (agro-alimentar), que aqui criaram centros de desenvolvimento de negócio e de serviços partilhados.

Atualmente, a Lionesa conta com cerca de 110 empresas nacionais e internacionais e um total aproximado de cinco mil postos de trabalho e pessoas de mais de 25 nacionalidades.

A atractividade do norte de Portugal e da Lionesa por parte de multinacionais, como é o caso da Oracle, “é prova de que Portugal é reconhecido como um ‘produtor’ do melhor talento profissional, académico e científico, acompanhado de uma criatividade e entregas difíceis de igualar”, refere a administração do centro empresarial.

Recomendadas

Falhas na rede móvel da NOS solucionadas. Operador vai averiguar “grave incidente”

A operadora admitiu que falha na rede “provocou interrupção do serviço de voz e dados”, “com impacto em clientes em algumas zonas do país”. Fonte oficial da NOS explicou ao JE que entre o reporte das falhas e a sua resolução passaram “apenas” duas horas e que os planos de contingência foram prontamente ativados e bem sucedidos.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

Quatro azeites portugueses entre os 100 melhores do mundo

Três dos azeites portugueses premiados têm preços abaixos dos seis euros, com o quarto a custar dez euros.
Comentários