Lisboa, Cascais e Sintra são os municípios que mais encaixam com IMI

Por outro lado, Gaia e Portimão são as autarquias mais endividadas. As receitas fiscais com o imposto alcançaram os 2,9 mil milhões de euros no ano passado.

O encaixe das autarquias em receitas fiscais aumentou, no ano passado, para 2,9 mil milhões de euros. A Câmara Municipal de Lisboa está entre os municípios que mais receitas conseguiram no ano passado com a cobrança de impostos. Apenas o imposto municipal sobre imóveis (IMI) contabilizou 114 milhões de euros, segundo noticia esta terça-feira o Correio da Manhã.

Em comparação com 2006, as receitas fiscais das autarquias subiu 19,8%. Isto significa que numa década, o valor aumentou 495 milhões de euros, segundo dados do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2016, divulgados pelo CM. Cascais lidera a lista de municípios,onde o peso das receitas dos impostos foi maior, representando 79,5% do total. Segue-se Lisboa (68,4%) e a Maia (66,2%).

Entre o total, os impostos diretos são os que têm maior importância, sendo que o IMI é o imposto que mais contribuiu financeiramente para as receitas municipais. Contabilizando apenas o IMI, os municípios com maior receita cobrada foram Lisboa, Cascais (50,3 milhões) e Sintra (49,5 milhões).

Recomendadas

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários