Lisboa, Cascais e Sintra são os municípios que mais encaixam com IMI

Por outro lado, Gaia e Portimão são as autarquias mais endividadas. As receitas fiscais com o imposto alcançaram os 2,9 mil milhões de euros no ano passado.

O encaixe das autarquias em receitas fiscais aumentou, no ano passado, para 2,9 mil milhões de euros. A Câmara Municipal de Lisboa está entre os municípios que mais receitas conseguiram no ano passado com a cobrança de impostos. Apenas o imposto municipal sobre imóveis (IMI) contabilizou 114 milhões de euros, segundo noticia esta terça-feira o Correio da Manhã.

Em comparação com 2006, as receitas fiscais das autarquias subiu 19,8%. Isto significa que numa década, o valor aumentou 495 milhões de euros, segundo dados do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2016, divulgados pelo CM. Cascais lidera a lista de municípios,onde o peso das receitas dos impostos foi maior, representando 79,5% do total. Segue-se Lisboa (68,4%) e a Maia (66,2%).

Entre o total, os impostos diretos são os que têm maior importância, sendo que o IMI é o imposto que mais contribuiu financeiramente para as receitas municipais. Contabilizando apenas o IMI, os municípios com maior receita cobrada foram Lisboa, Cascais (50,3 milhões) e Sintra (49,5 milhões).

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários