Lisboa e Porto concentram mais de metade do poder de compra em Portugal

Apenas em 32 dos 308 municípios portugueses, o poder de compra per capita é superior à média nacional.

Andreas Brücker/Unsplash

Apenas 10% dos municípios portugueses tem poder de compra acima da média, segundo avançou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE). Os dados referem-se a 2017 e apontam que apenas em 32 dos 308 municípios o poder de compra per capita era superior à média nacional.

A maioria destes municípios localizam-se maioritariamente nas principais áreas metropolitanas do país. Em Lisboa, são oito em 18 municípios; no Porto, são seis em 17 municípios.

No total, as duas áreas metropolitanas do país concentram mais de metade (52%) do poder de compra a nível nacional, apesar de reunirem apenas 44% da população em Portugal.

O município de Lisboa apresenta o valor mais elevado de Indicador Per Capita (IPC) com 219,6 pontos a nível nacional, com o Porto a surgir na segunda posição (157,8).

Na área metropolitana de Lisboa, destaque para os concelhos de Oeiras (156,5), Cascais (122,1) e Alcochete (118,8).

Na área metropolitana do Porto, destaque para São João da Madeira (135,4), Matosinhos (123,0) e Maia (110,7), Espinho (103,0) e Vila Nova de Gaia (100,1).

Fora de Lisboa e Porto, existem quatro cidades com valores de IPC superiores a 100: Faro (132,5), Coimbra (128,7), Aveiro (123,1) e Évora (117,3).

Ler mais

Recomendadas

PIB da Madeira pode diminuir entre 16% e 20% já este ano, diz Pedro Calado

O governante realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo.

Bruxelas pede que não sejam concedidos apoios públicos a empresas com sede em paraísos fiscais

O objetivo da recomendação da Comissão Europeia passa por fornecer orientações aos 27 sobre como estabelecer condições para o apoio financeiro, que permitam prevenir a utilização abusiva de fundos públicos e reforçar as salvaguardas contra os abusos fiscais em toda a União Europeia.

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.
Comentários