Lisbon Marriott transforma quartos em escritórios

Os valores do pacote “Work Away”, variam de acordo com a categoria escolhida pelo cliente, que podem ir do escritório e quarto por uma noite ou apenas escritório, podendo receber até dois clientes ao mesmo tempo.

O Lisbon Marriott Hotel está a transformar alguns quartos do seu hotel em escritórios com os melhores serviços para pequenas reuniões de negócios, teletrabalho ou vídeo conferências.

O serviço denominado como ‘Work Away’ foi criado para facilitar o trabalho e a logística dos profissionais autónomos e das empresas que procuram um ambiente tranquilo, seguro e mais económico para trabalhar.

Até ao momento, a unidade hoteleira conta já com 12 quartos disponíveis com este tipo de serviço, cujos preços variam de acordo com a categoria escolhida pelo cliente, que podem ir do escritório e quarto por uma noite ou apenas escritório, podendo receber até dois clientes ao mesmo tempo.

Caso pretenda usufruir somente do escritório o valor é de 40 euros entre as 8h e 18h. No mesmo horário, mas se optar por um escritório e quarto o valor ascende aos 65 euros. Se desejar passar uma noite a verba é de 115 euros, sendo que qualquer uma das opções dá acesso ao ginásio e estacionamento do hotel e ainda a 30% de desconto na zona da restauração.

Numa altura em que o mundo é afetado pela pandemia do coronavírus, a unidade hoteleira apresenta um serviço que cumpre com o maior rigôr as regras de segurança e higiene baseadas em práticas médicas aprovadas pela Organização Mundial de Saúde.

No final de cada dia todos os espaços são higienizados para que não ofereçam nenhum risco de Covid-19, garantindo assim a segurança de todos os residentes.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários