Lítio: não podemos resolver um problema criando outros maiores

Sem diabolizar o lítio, o que se quer é que se respeitem as regras, salvaguardando e compatibilizando os interesses económicos e a sustentabilidade ambiental.

Admitindo que sobre a exploração de lítio em Portugal haja diferentes opiniões, como é natural e legítimo, há alguns aspectos que não devem ser ignorados, desde logo, a forma como os processos estão a ser conduzidos, caracterizando-se por uma total falta de transparência. Com efeito, parece mesmo que estamos perante o prenúncio de um crime ambiental pelos impactos expectáveis, assim como de um grande descrédito dos instrumentos e procedimentos de avaliação ambiental.

É preciso conhecer os riscos e os danos irreversíveis provocados pelas previstas explorações mineiras, que têm levado a fortes contestações por parte das populações que não se resignam e que o Partido Ecologista Os Verdes tem acompanhado desde a primeira hora.

Esta é uma luta que tem de ser travada no terreno, mas também no plano parlamentar, onde Os Verdes têm promovido diversas acções, perguntas ao Governo, projectos de resolução e até uma audição parlamentar específica sobre o tema, que contou com a participação de diversas associações de ambiente, autarcas e movimentos de cidadãos.

Falamos de 12 locais previstos para exploração de lítio, em áreas protegidas ou junto a estas, em locais da Rede Natura 2000, de grande importância agrícola, inclusive em territórios classificados como património agrícola mundial pela FAO -Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, e até perto de povoações. Estas explorações vão ter impactos na qualidade de vida das populações, na destruição de habitats, na perda de biodiversidade, na alteração da paisagem e dos ecossistemas, na contaminação de águas e na destruição de património arqueológico.

Impõem-se estudos e uma avaliação de impacto ambiental séria e credível, não daquelas com os resultados encomendados, que apenas validam uma intenção. Afinal, é para isso que servem, sustentar as decisões do Estado na persecução das suas responsabilidades ambientais e não para legitimar decisões já tomadas.

Até porque uma coisa é fazer sentido usarmos recursos nacionais para criar riqueza, desde que respeitando a sustentabilidade, outra é o que se está a passar no nosso país, ainda por cima abrindo a porta às grandes companhias mineiras que controlam o mercado global.

Quando não há transparência e quando se sonega informação às populações e aos eleitos, é a democracia que está em causa. Quando não se ouve primeiro as populações, antes de tomar decisões com implicações sérias na vida das pessoas, algo vai mal na democracia e quando se considera que as populações, que vão ser profundamente afectadas, têm de aceitar resignadamente, em nome de um dito interesse nacional, o destino que outros lhes definiram, algo está mal numa democracia que se quer justa.

Compreendendo a importância do lítio e do seu contributo para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, o bom senso recomenda que não se procure resolver problemas criando outros problemas ainda maiores. Significa isto que a exploração do lítio não pode ser feita a qualquer preço, têm de se respeitar as regras ambientais e, sobretudo, é preciso credibilizar os instrumentos de avaliação ambiental, não criando pressões nem condicionalismos.

A transição energética não pode ser mote para destruir territórios e não se pode continuar a vender a ideia de que é preciso aceitar a exploração de lítio por uma questão de mobilidade, pois o que está em causa é um problema de mineração, com todos os impactos ambientais deste processo. Também ninguém nos garante que esta febre do lítio não seja passageira, pois podem surgir tecnologias mais eficientes e aí a mobilidade eléctrica será toda repensada.

Resumindo, sem diabolizar o lítio, o que se quer é que se respeitem as regras, salvaguardando e compatibilizando os interesses económicos e a sustentabilidade ambiental, que não se descredibilizem os instrumentos de avaliação ambiental e que as populações locais possam ter algo a dizer.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Poupar ou poupar, eis a questão

Parece desadequado falar em poupança em plena crise pandémica que é já uma crise de rendimentos para muitas famílias, mas é nas alturas mais exigentes que se tomam as decisões mais importantes.

Um orçamento que não serve à esquerda nem à direita serve ao país?

Uma vez mais, nenhuma alteração nos escalões do IRS é consagrada no OE2021, uma decisão incompreensível. Apenas as retenções na fonte serão mais baixas, mas tal não significará um alívio fiscal.

Uma década ‘horribilis’

Não basta atirar dinheiro para cima dos problemas. É urgente realizar um correcto diagnóstico para se poder prescrever a medicação adequada.
Comentários