Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

Os representantes britânicos vão deixar de participar na maior parte das reuniões da União Europeia (UE) a partir de 01 de setembro, estando presentes somente nas que “dizem respeito ao interesse nacional”, afirmou hoje o ministro do ‘Brexit’.

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

O governo do primeiro-ministro, Boris Johnson, acredita que o tempo vai ser mais bem gasto na preparação do ‘Brexit’, agendado para 31 de outubro, apesar do chefe do executivo continuar a assistir ao Conselho Europeu.

Londres assegurou que esta decisão não tem “intenção de interferir com o funcionamento da UE”, dizendo que o “voto britânico seria delegado de modo a não bloquear os assuntos atuais dos outros 27 membros”.

“A partir de agora, vamos a reuniões que realmente importam, reduzindo a nossa presença em mais de metade e ganhando centenas de horas”, acrescentou.

Boris Johnson, que sucedeu a Theresa May na chefia do executivo a 26 de julho, disse que estava pronto para deixar a União Europeia a 31 de outubro, com ou sem acordo de saída.

A UE tem afirmado repetidamente que não está disposta a renegociar o acordo ‘Brexit’ que alcançou May.

Na quarta-feira, Boris Johnson vai a Berlim encontrar-se com a chanceler alemã Angela Merkel e na quinta-feira a Paris, para reunir-se com o Presidente Emmanuel Macron, de forma a convencê-los a juntarem-se à sua visão do ‘Brexit’, antes da cimeira do G7, este fim de semana, em Biarritz, no sudoeste da França.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários