Lotação esgotada nos cursos de Informação e Jornalismo

Está encerrado o Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior 2019/2020. Humanidades e Ciências Sociais estão entre as áreas de educação e formação que registam maior ocupação.

Foram disponibilizadas este ano 896 vagas em curso de Informação e Jornalismo. Todas foram preenchidas. No Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior de 2019/2020, uma lotação assim tão esgotada só se voltou a verificar na área de Serviços de Transporte, mas com um número de vagas muitíssimo mais baixo.

Com idêntico nível de ocupação aos curso de Jornalismo e Informação (99,8%), mas bastante mais vagas disponibilizadas está a área das Humanidades: 2.471. Apenas sete ficaram por preencher.

A área da Engenharia e Técnicas Afins é a que tradicionalmente mais vagas coloca a concurso. Este ano não foi exceção. Das  9.382 vagas iniciais, 7.979 foram ocupadas durante as duas primeiras fases do concurso. No final, a taxa de ocupação saldou-se por 95,8%. De lembrar que os cursos de Engenharia revelaram este ano grande disparidade na procura, atraindo, por um lado, as médias mais altas, e pelo outro lado, ficando alguns sem qualquer procura.

A área das Ciências Empresariais é a segunda em número de vagas lançadas: 7.511, das quais 94,8% foram ocupadas.

A terceira é a área da Saúde, que pôs este ano a concurso 6.649 vagas, registando uma taxa de ocupação de  94,7%. A quarta é a das Ciências Sociais e do Comportamento, onde se verificou uma ocupação de 98,2% das 3.805 vagas disponibilizadas.

Segundo os dados da Direção-Geral do Ensino Superior, os estudantes colocados durante as três fases do Concurso Nacional de Acesso ascendem a 46.058, o que representa um acréscimo de 1,6% face a 2018. No ano passado, foram colocados por esta via 45.313 estudantes.

A maior fatia dos estudantes – 27.670 –  foi colocada nas universidades, tendo entrado nos politécnicos 18.388 alunos.

 

Ler mais
Recomendadas

Universidade de Coimbra quer tornar viável a produção de “caviar português” em aquacultura

Tornar viável a produção de ouriços-do-mar em aquacultura, de forma rentável e com reduzido impacto ambiental, é o objetivo de uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra, que está a desenvolver um modelo integrado de cultivo em cativeiro da espécie mais abundante em Portugal.

Uni Covid-19. Alunos do Politécnico de Castelo Branco, Técnico, UMadeira e IADE entre os vencedores

O prémio apoia iniciativas de jovens universitários com impacto social. As candidaturas para a 3ª fase decorrem até 8 de junho.

Porto Business School regressa às aulas presenciais a 15 de junho

“Estamos preparados para retomar a atividade e receber todos os nossos alunos com toda a segurança”, garante Patrícia Teixeira Lopes, Associate-Dean desta escola de negócios.
Comentários